O que vem depois do pau de selfie e da GoPro?

Depois da moda do monopod, injustamente apelidado de “pau de selfie”, e da filmadora GoPro, o novo gadget que vem com tudo é o Panono, uma câmera em forma de bola que, ao ser jogada, para o alto, tira fotos panorâmicas fantásticas. Acesse o site do fabricante e conheça este produto e suas fotos surpreendentes!

Anúncios

10 tendências tecnológicas para os próximos anos – X

propmovel

10) Propaganda móvel combinada ao posicionamento do cliente

Cada vez mais, os comerciantes digitais aumentam o foco em propaganda móvel e analítica avançadas para aproveitar as vantagens apresentadas pelo crescimento do uso de equipamentos móveis. As ações passam a ser altamente direcionadas com base em aquisições recentes, hábitos de compra, cidade de residência e interesses.

Até 2020, as empresas de varejo que usam mensagens dirigidas combinadas aos sistemas internos de posicionamento (IPS) verão um aumento de 5% nas vendas. Outra previsão é de que, até 2016, haverá um aumento na quantidade de ofertas dos varejistas voltadas à localização do cliente e ao tempo gasto na loja.

10 tendências tecnológicas para os próximos anos – VII

mk8

7) Flexibilidade em prol do consumidor

Até 2017, 70% dos modelos de empresa digital bem-sucedidos dependerão de processos instáveis e projetados para mudar conforme as necessidades dos clientes. Antes disso, ainda este ano, a previsão é de que 5% das empresas globais projetem processos “supermanobráveis” que ofereçam vantagens competitivas.

A flexibilidade faz com que as ofertas, normalmente, sejam impossíveis de serem duplicadas por outros concorrentes. Os processos deliberadamente instáveis comandarão uma mudança drástica na capacidade das empresas e seu pessoal de forma mais fluida. A capacidade de mudar rapidamente vai alavancar os conceitos de liquidez organizacional. Esse enfoque holístico, que mistura modelo de negócio, processos, tecnologia e pessoas, alimentará o sucesso da empresa digital.

Fonte: Mundo do Marketing

10 tendências tecnológicas para os próximos anos

pagmovel

6) Interesse renovado pelos pagamentos móveis

Segundo a previsão do Gartner, este ano, o mercado norte-americano verá a renovação do interesse pelos pagamentos móveis – em parte devido à introdução do Apple Pay e dos esforços similares dos concorrentes, como do Google para incentivar a adoção do Google Wallet. Até 2017, o engajamento dos clientes de mobilidade nos EUA impulsionará o faturamento do comércio móvel local em 50% das receitas do comércio digital.

O poder crescente dos smartphones e tablets e as aplicações disponíveis para cada um deles permitem que os consumidores interajam melhor com as empresas, tenham experiências melhores e recebam conteúdo em praticamente todas as fases dos processos de compra. À medida que os fabricantes de dispositivos e desenvolvedores de aplicações melhorem a usabilidade e a funcionalidade, e atendam às preocupações dos usuários com a segurança, os dispositivos serão cada vez mais essenciais para os clientes.

Os consumidores que nasceram e cresceram usando a internet como plataforma de comunicação, informação e transações e vivem presos aos seus equipamentos móveis tendem a querer que os provedores de serviços e os varejistas atendam às suas expectativas de experiências de comércio conectadas.

10 tendências tecnológicas para os próximos anos – V

AssDigitais

5) Ascenção dos assistentes digitais móveis

Até o fim de 2016, mais de US$ 2 bilhões de compras on-line serão feitas exclusivamente por assistentes digitais móveis por ano. Inicialmente, eles cuidarão de processos táticos triviais como anotar nomes, endereços e informações de cartões de crédito. Alguns eventos fixos, como reposição em mercados, serão comuns e proporcionarão a esses tipos de assistentes a confiança para evoluírem.

A tendência é que, em seguida, eles assumam decisões mais complexas, como a programação da noite: a escolha de um filme bem cotado e, depois, um jantar. Os assistentes digitais estarão em múltiplas plataformas, mas os equipamentos móveis serão os dispositivos mais acessíveis e preferencialmente adotados.

10 tendências tecnológicas para os próximos anos – IV

expectativa-de-vida4) Contribuições para o aumento da expectativa de vida

Até 2020, a expectativa de vida no mundo desenvolvido aumentará em meio ano em virtude da crescente adoção de tecnologias sem fio de monitoramento da saúde. Antes disso, em 2017, os custos dos cuidados com a diabetes serão reduzidos em 10% por meio do uso de smartphones. Os equipamentos de monitoramento que podem ser “vestidos” representam uma grande promessa.

Hoje, uma simples pulseira pode monitorar os batimentos cardíacos, a temperatura e uma série de fatores ambientais. Alguns adesivos (patches) sem fio de monitoramento do coração, camisetas inteligentes e sensores em acessórios prometem mais precisão, escolha e conforto para os usuários. A transmissão sem fio é fácil e clara.

Os dados podem ser correlacionados com grandes repositórios de informações baseados na nuvem para gerar ações aprovadas e, via redes sociais, obter informações. O Gartner prevê que os dados de dispositivos de monitoramento remoto oferecerão acesso contínuo dos pacientes aos médicos.

Fonte: Mundo do Marketing

10 tendências tecnológicas para os próximos anos – III

redução_custos

3) Redução de custos

Outra previsão do Gartner é de que, até 2018, o custo total das operações de empresas digitais será reduzido em 50%, por meio de máquinas inteligentes e serviços industrializados. Mesmo sem esses equipamentos tecnológicos serem capazes de substituir o trabalho humano, eles desalojarão a complacência e a ineficiência e acrescentarão uma tremenda velocidade às operações dos negócios.

Perseguindo a preferência dos consumidores em usar a internet e os serviços móveis para impulsionar as eficiências comerciais e otimizar a gestão do tempo, as indústrias estão se esforçando para melhorar a experiência dos clientes por meio da simplificação e da automação. Ao tornarem os processos ponto a ponto mais inteligentes, elas minimizam as intervenções manuais e permitem que os consumidores se sirvam sozinhos – self-service.

As necessidades dos clientes por produtos e serviços mais rápidos, baratos e melhores, disponíveis a qualquer hora, em qualquer lugar e qualquer canal, estão alimentando a revolução da empresa digital.

Fonte: Mundo do Marketing

10 tendências tecnológicas para os próximos anos – II

disruptiva

Hoje continuamos a falar das próximas novidades previstas pelo Gartner Group.

2) Surgimento de empresas digitais disruptivas

Até 2017, serão lançadas grandes empresas digitais disruptivas, concebidas por um algoritmo de computador. Já em um panorama mais de curto prazo, terão maior valor companhias que combinem mercados da tecnologia com logística para desafiar ecossistemas de negócios legados e puramente físicos.

A economia mundial ficou madura para a disrupção digital, e isso fica claro em empresas globais do mercado, como a Uber e a Airbnb, que estão tirando o chão dos transportes e dos hotéis, respectivamente. Como tais companhias exibem os efeitos das redes (ou seja, seu valor aumenta com cada novo participante), elas tendem a formar monopólios naturais, mas são desafiadas por todas as complexidades regulatórias e do mercado, o que as tornam menos receptíveis aos analistas de computação.

Nesse meio tempo, a criação positiva de sucesso em tais modelos – valorização de dezenas de centenas de bilhões de empresas com menos de cinco anos de idade – representa uma atração irresistível para o investimento de capital.

Fonte: Mundo do Marketing

10 tendências tecnológicas para os próximos anos

A partir de hoje estarei publicando as 10 tendências que o Gartner Group detectou para os próximos anos e que afetarão muitos negócios.

1) Posições em baixa, e outras em alta

A rápida evolução das mídias sociais e das tecnologias móveis está conduzindo uma mudança nos hábitos dos consumidores e na forma como eles vivem. Em breve, por exemplo, as geladeiras identificarão e pedirão gêneros alimentícios que estão em falta na casa, os robôs registrarão isso e os drones entregarão os produtos na porta das residências. Como resultado, haverá a redução da necessidade de funcionários nos mercados e de motoristas para fazer as entregas.

Esse novo ambiente promovido pelas empresas digitais mudará profundamente os processos de negócio, juntamente à demografia dos empregos, fazendo emergir a necessidade de competências mais avançadas em todas as indústrias. Até 2018, as companhias demandarão 50% menos de trabalhadores em processos de negócio e 500% mais empregos-chave nas empresas digitais, comparados aos modelos tradicionais.

10 tendências para o marketing em 2015

2015

Todo ano, diversos eventos costumam influenciar comportamentos e percepções sociais, gerando novas oportunidades no mercado. Com base em relatório da trendwatching.com, listamos as 10 maiores tendênciaspara 2015 na América Latina. Nosso expertise é apontar novos caminhos que vão contribuir para o fortalecimento das marcas. Cada uma dessas tendências indica uma oportunidade de açāo e inovação a ser criada e adaptada pelas marcas de todos os setores.

Conheça as 10 maiores tendências de consumo e inovação para 2015:

  1. IN-HAND BRANDS

Sirva os consumidores no lugar certo e na hora certa. Enquanto as expectativas dos consumidores crescem nas Américas do Sul & Central, a paciência deles diminui. Marcas espertas estão integrando-se à vida das pessoas com um preciso senso de urgência. Em 2015, os consumidores irão demandar marcas que acrescentem recursos e criem atalhos que acelerem as entregas. E as melhores delas estarão onde e quando forem requisitadas, antes mesmo dos consumidores saberem que as querem.

  1. BRIGHT IS BEAUTIFUL

Ajude a alimentar o amor pelo conhecimento como status. O que isso significa para as marcas em 2015? Além de integrar o aprendizado e experiências literárias ao dia a dia dos consumidores, pense como você pode ajudar os consumidores a expressar (ou exibir) seus conhecimentos. Você pode ajudá-los a fazer isso via redes sociais? Na América Latina, as pessoas gastam mais tempo nelas do que em qualquer outro lugar do mundo, em torno de 8.67 horas por mês (comScore, julho de 2014). E se a oportunidade estiver no universo offline? Até mesmo um par de jeans pode ser usado para exibir o amor pela literatura.

  1. RECONCILIATION BRANDS

Tome uma posição na luta contra a desigualdade. Apesar de todo o progresso das Américas do Sul & Central, há ainda muita desigualdade e barreiras que separam a população da região. Dificuldades financeiras, desigualdade e preconceitos. Em 2015, as marcas não podem ignorar essas questões. A lacuna entre ricos e pobres é uma questão séria para 68% dos brasileiros (Pew Research, junho de 2014). Marcas corajosas (grandes e pequenas) irão abraçar esta discussão.

  1. DEMOCRATIC PRICING

Deixe os consumidores opinarem. Depois de viver anos de flutuação de preços, consumidores das Américas do Sul & Central estarão confiantes de que sabem o quanto produtos e serviços devem custar. Esses consumidores demandarão das marcas a possibilidade de participar da precificação de produtos. Estando confiante em sua oferta e respeito por seus consumidores, deixe que eles mostrem o quanto valorizam sua marca.

  1. INSIDE OUT

Ajude os urbanoides a aproveitar espaços ao ar livre. Os latinoamericanos andaram se escondendo (especialmente da violência urbana) em shoppings, em seus carros no trânsito e em condomínios nos últimos anos. Mas, desde 2013, esses consumidores estão redescobrindo o valor de ir às ruas. Em 2015, como você vai ajudar os seus consumidores a aproveitar o espaço público?

  1. PLAYFUL PERKS

Nas Américas do Sul & Central, as marcas muitas vezes recorrem a um tom sério no seu discurso, com o objetivo de serem vistas como profissionais e respeitáveis. Interações com marcas devem ser humanas: 73% dos consumidores do Brasil esperam que as marcas construam relações significativas com eles. (Edelman, outubro de 2014). Em 2015, as HUMAN BRANDS (“marcas humanas”) irão além das piadinhas com fãs e seguidores online, e vão estimular os consumidores com recompensas divertidas e interações surpreendentes.

  1. CITY CONNECTIONS

Os solitários moradores das cidades irão amar marcas que possam uni-los. Graças à contínua urbanização das Américas do Sul & Central e ao ritmo das grandes cidades (muito trabalho, pouco tempo livre), é comum que moradores não conheçam seus vizinhos. Sua marca é amigável o suficiente para ajudar as pessoas a se conectar? Quanto mais conexões você fizer, mais você será amado.

  1. OK COMMUTER

O cruzamento entre varejo e transporte é certamente uma das novas áreas mais interessantes a serem exploradas nas Américas do Sul & Central. Consumidores da região estão adotando novas formas de METRO MOBILITY (de apps de táxi e corridas compartilhadas à crescente adoção do transporte público). Conforme o status associado ao transporte muda da posse do carro a ter experiências únicas, a habilidade de comprar durante o trajeto será uma experiência valorizada. Em 2015, latinoamericanos irão abraçar marcas que se encaixem perfeitamente em suas jornadas.

  1. ONLIFE SERVICE

Acrescente controle e conveniência à vida online dos consumidores. Em 2015, enquanto os consumidores desejarem marcas que os ajudem a gerenciar suas vidas online, eles também irão esperar ser servidos e assistidos com total conveniência. As marcas devem ajudá-los a usar a tecnologia de maneira segura, mais saudável e mais produtiva.

  1. BRAND STANDS

Esteja comprometido com as mesmas causas que seus consumidores. De acordo com a pesquisa do Pew Research Center de junho de 2014, 72% dos brasileiros estão insatisfeitos com o país. Eventos como a Copa do Mundo e a Olimpíada que se aproxima fizeram os consumidores das Américas do Sul & Central (não apenas do Brasil!) repensar o uso dos espaços públicos e a infraestrutura local, causando grande desejo de melhorar a região para que isso seja motivo de orgulho nacional. Em 2015, os consumidores irão esperar que as marcas provem que são comprometidas com as mesmas causas que eles.

(Fonte: Luciana Stein)

Tendências para 2010, segundo a Trendwatching

Trendwatching.com é o side de uma das principais empresas de tendências do mundo. Recentemente, a agência divulgar suas  “10 tendências do consumidor para 2010”.  

Em síntese, as tendências são:

1. Negócios sustentáveis – Pela primeira vez há um sentimento de sustentabilidade nos negócios. Para prosperar, as empresas serão mais transparentes com a sociedade. 2. Orgulho urbano – Calcula-se que até 2050, 6,4 bilhões de pessoas viverão emcidades. Haverá um maior número de consumidores exigentes, antenados e dispostos a experimentar. Graças à internet, os mais cosmopolitas serão líderes de opinião. 3. Críticas em tempo real: as pessoas se acostumaram a compartilhar o que compram, ouvem, veem e fazem. Por isso, surgirão novos mecanismos para tornar essa troca ainda mais rápida. 4. O que é luxo? O significado de luxo torna-se ainda mais elástico. Ele é tudo aquilo que você quer que ele seja. 5. A massa se mistura – Mais pessoas estarão online em 2010. Parte delas se encontrará no mundo offline. Isso graças às crescentes redes sociais e à comunicação móvel. 6. É fácil ser “eco” – O ecologicamente correto continua em voga. Empresas, governos e sociedade cada vez mais farão sua parte. 7. Rastreando e alertando – Rastrear e alertar é o novo “pesquisar”. Um exemplo disso já acontece em São Paulo, onde motoristas se informam sobre o trânsito via Twitter. 8. A nova caridade – A onda de generosidade colaborativa faz nascer iniciativas em que empresas e consumidores unem-se em campanhas de doação. 9. Pesquisando perfis – Nesse caso, não estamos falando de empresas e profissionais de marketing que lucram a partir das informações desses perfis, mas sim de serviços que possam proteger esses usuários, além de oferecer conforto e soluções. 10. Maturalism – O conceito une as palavras”maduro” e “materialismo” e diz respeito a consumidores que querem ser desafiados e estão mais abertos a experimentar.