O que é marketing esportivo?

MarketingEsportivo

Marketing esportivo é o processo de elaborar e implementar atividades de produção, formação de preço, promoção e distribuição de um produto esportivo para satisfazer as necessidades ou desejos de consumidores e realizar os objetivos da empresa (Pitts & Stolar).

Desdobramento natural do patrocínio, o marketing esportivo representa a associação da marca de uma empresa a uma agremiação, de forma a alavancar os negócios e posicionar a imagem do patrocinador. Um bom exemplo de como esta filosofia é praticada está na equipe de basquete do Uniceub, em Brasília, que patrocina a equipe do Instituto Viver Basquetebol (IVB). Este time originalmente chamava-se Universo e constituía-se em estratégia de entrada da Universidade Salgado de Oliveira na Capital Federal. Embora a estratégia tenha sido vitoriosa para a Universo, a instituição de ensino superior desistiu de abrir unidades do Distrito Federal. O legado da equipe criada em 2000 foi absorvido pelo Centro Universitário de Brasília, rebatizando a equipe para Uniceub/BRB/Brasília.

A estratégia do Uniceub foi acertada, pois a equipe conquistou o tricampeonato do Novo Basquete Brasil (NBB),  a quarta conquista do IVB em seis finais consecutivas, conquista a hegemonia nacional na modalidade. Os ganhos de imagem para a universidade foram inúmeros, tanto em mídia quanto em posicionamento de imagem, sem falar na influência indireta no aumento de matrículas da instituição. Cabe lembrar que a boa gestão empresarial e de marketing do Uniceub contribui sobremaneira para a sinergia de esforços em prol dos resultados esperados.

 

 

 

Red Bull investe em equipe de futebol

RB

Após investir em uma escuderia novata e dominar a Fórmula 1 por algumas temporadas, a Red Bull agora investe em uma equipe de futebol. Fundado em 2007, o Red Bull Brasil estreia no Paulista em 1º de fevereiro, contra o Capivariano, outro time que veio da Série A-2 do Paulista. Assim, o time de Campinas celebra a conquista da primeira etapa de seu projeto esportivo no país, que almeja a elite em âmbito nacional e atrair torcedores com um novo conceito de espetáculo. E nesse projeto, o êxito da marca na F1 representa uma inspiração assumida.

No futebol brasileiro, o grande desafio é atrair um novo tipo de torcedor, com a oferta de um espetáculo mais caprichado em relação aos padrões convencionais dos estádios do país.

O clube novato firmou parceria com a Ponte Preta para usar o estádio Moisés Lucarelli como casa até 2017. No entanto, em caso de confronto entre os clubes, a centenária equipe de Campinas mantém o vestiário número 1 e não mexe no lugar de seus torcedores na arquibancada.

No elenco que trabalha para o Campeonato Paulista, o nome mais conhecido é o do zagueiro Fabiano Eller, ex-Inter e Santos. O grupo também conta com o atacante Gabriel Barcos, uma espécie de “pirata genérico”, em menção ao argentino do Grêmio.

A participação de estreia do time na elite paulista está nas mãos de Maurício Barbieri, jovem técnico de apenas 33 anos, com passagem pelo Audax do Rio. O treinador está no clube desde 2013 e foi o responsável pelo acesso do “Toro Loko”.  O primeiro desafio contra um grande do Estado acontecerá na 3ª rodada, diante do Santos, na Vila Belmiro. A tabela da primeira fase também prevê que o Red Bull receba o Palmeiras no Moisés Lucarelli.

A nova investida marca uma série de estratégias ousadas e ambiciosas para a marca manter a participação de 44% no mercado brasileiro de energéticos, uma categoria praticamente criada pela Red Bull. Mais um ponto para a marque “que te dá asas”!

Por que a Fifa não detém exclusividade da marca “Pagode”

Nesta semana, a mídia promoveu a confusão com o fato de a Fifa ter efetuado registro junto ao INPI da marca “Pagode”. Isto porque as notícias deram margem à percepção de que a Fifa detinha a exclusividade sobre a expressão, o que provocou um intenso debate ideológico nas redes sociais, a ponto de ter recebido um post de um crítico famoso de cinema indignado com este fato.

Como sou consultor de propriedade industrial e possuir acesso ao banco de dados do INPI –  como qualquer pessoa interessada pode fazê-lo mediante cadastro -, procurarei iluminar a questão e esclarecer a distorção que ocorreu.

De fato, a Fédération Internationale de Football Association solicitou, em 2010, junto ao INPI, registro da marca pagode, porém de forma específica. No processo n. 830597280, iniciado em 06/05/2010, a famosa entidade internacional pleiteou registro da tipografia que desejava utilizar na promoção comercial do Campeonato Mundial de Futebol em 2014. Esta tipografia, a qual ela batizou Pagode, foi exclusivamente criada para o evento e a instituição buscava protegê-la de pirataria.

Assim, em 30/10/2012, o INPI concedeu exclusividade para a Fifa do registro do nome Pagode para Classe 16, especificamente “fonte tipográfica e/ou projetos tipográficos”, entre outros detalhamentos naquela classificação.

Como se vê, um registro simples para provocar tanta distorção da mídia e de xenófobos brasileiros que viram neste fato uma ameça a uma instituição musical consagrada na cultura brasileira.

Itaú é o novo patrocinador da Seleção Brasileira

itau

O Banco Itaú e a CBF assinaram, no início da semana,   acordo para patrocínio das Seleções Brasileiras de Futebol – Seleção Brasileira Principal, Seleção Olímpica, Seleção Sub-23, Seleção Sub-20, Seleção Sub-17, Seleção Sub-15 e Seleções Femininas. O contrato terá duração de seis anos, até 2014, incluindo o período da Copa do Mundo no Brasil.

O envolvimento do Itaú com o futebol já tem mais de 17 anos, com o patrocínio da transmissão dos jogos do Campeonato Brasileiro, da Libertadores, das Eliminatórias da Copa do Mundo de Futebol, amistosos da Seleção Brasileira, Copa do Brasil, entre outros na Rede Globo.

O patrocínio dá direito, entre outras coisas, ao Itaú utilizar mundialmente no seu ramo de serviços, o título de “Patrocinador Oficial da Seleção Brasileira de Futebol”. Além da aplicação da logomarca nos uniformes de treino, demais trajes e acessórios utilizados pelos jogadores e comissão técnica, assim como a possibilidade de promover ações promocionais e de publicidade junto ao público, fazendo associação à Seleção em seus produtos e serviços.

A decisão do Itaú consolida os investimentos da empresa no segmento esportivo, dentro de uma associação feliz. Afinal, como o futebol atinge todas as classes e o banco oferece serviços para todas as camadas da população, a estratégia tem tudo para dar certo.Lembro que, para um banco, investir altas somas em marketing não representa grandes sacrifícios, uma vez que os lucros são consideráveis se comparados a outros segmentos produtivos da economia nacional.Preocupo-me apenas com a superconcentração de patrocinadores de natureza bancária no cenário do marketing atual. Isto não é salutar, pois os bancos ganharão cada vez mais, enquanto oportunidades de investimento publicitário e de marketing ficarão escassas para outros segmentos não tão abençoados por lucros estratosféricos como o das instituições financeiras.

Como ser um campeão

É do esporte, mas vale para a vida. Torço para o Internacional de Porto Alegre desde meus 9 anos de idade. Sempre gostei de “ser diferente” e no futebol também tinha de sê-lo. Nos últimos anos, tenho ficado muito alegre com as conquistas de meu time, não só pelos jogos em si, mas pelas lições de superação, principalmente na busca de títulos nunca antes alcançados.

Em 2006, a equipe ganhou a Libertadores e o Campeonato Mundial de Clubes, em cima do poderoso Barcelona. Em 2007, ganhou a Recopa Sul-Americana, conquistando, assim, a tríplice coroa. Neste ano, bateu a Internazionale de Milão e ganhou o Torneio de Dubai. Ontem, o time conquistou o campeonato gaúcho, um título menor, mas que encerra uma lição de superação. Antes da partida de ontem, o Inter ganhara, no decorrer do certame,  15 partidas, empatando 2 e perdendo 3, exatamente para o Juventude, velho algoz dos colorados.

Pois bem. Ontem, a equipe devolveu as derrotas para o Juventude, sacramentando um placar de 8 a 1. Isto mesmo! oito gols, com direito a um de falta, um contra e um do próprio goleiro, batendo pênalti. Assiti esta façanha ontem o bar Amarelinho, junto a outros 230 colorados, integrantes da comunidade “Colorados em Brasília”, no Orkut. Mais que a alegria, fica o exemplo de superação na base da união e da persistência. Perseverar vale a pena e nos transforma em campeões, tanto no esporte, quanto na vida.