Evolução do ambiente amplia requisitos ao profissional de marketing

Em artigo do Mundo do Marketing, Bruno Mello lembra que, até 20 anos atrás, Marketing era responsável por cerca de 13 atribuições fundamentais: Desenvolvimento da marca (Branding), Relações públicas, Criação de demanda, Estratégia de segmentação de clientes, Estratégia de Marketing B2B, Estratégia de fidelização de clientes, Geração de leads / prospecção, Comercialização de produtos, Análise da competitividade / inteligência de mercado, Estratégias de eventos, Preço, Promoções e Orçamento de Marketing.

Segundo ele, nos últimos 10 anos, a conta ficou difícil de chegar a um número final, mas agora também inclui Vendas, Atendimento ao Cliente, Desenvolvimento de novos produtos, Estratégia de tecnologia de Marketing, Roi, Inovação, Estratégia de negócios, Fusões e Aquisições, Antropologia, Sociologia, Psicologia, Neurociência, Netnografia, Omnichannel, E-commerce, Geomarketing, Premiumrização, Endomarketing, Shopper Marketing, Trade Marketing, Design, Design Thinking, Embalagem, Automação de Marketing, Conteúdo e Storytelling, Inbound Marketing, Extensão de Marca, Co-Branding e Edições Limitadas, Sac 2.0, CRM, Database marketing, Business Intelligence, Big Data, Live Marketing, Lojas conceito, Comunicação Digital, Redes sociais, Mobile e Growth Hacking.
Entenderam agora por que os anúncios para contratação de  profissionais de marketing pedem tantas habilidades?

Anúncios

Perícia em marketing: dicas para se desenvolver na área

perícia

Em post publicado em 16 /02/16,  “Já pensou em ser perito de marketing?”,  relatei o contato que tive com uma nova área: a perícia em marketing.

Alguns leitores manifestaram interesse maior em conhecer esta área tão incipiente ainda no País e decidi oferecer alguns subsídios.

Inicialmente, para ser um perito, como a própria nomenclatura sugere, o profissional deve ter ampla experiência na área, com formação em nível superior. Tempo de serviço e curso superior, portanto, são requisitos essenciais. A formação superior deve ser em áreas correlatas a Marketing, como Administração, Comunicação e Economia, entre outras.

Além disso, o profissional deve ter uma formação focada nesta área. No caso da perícia em marketing, cursos de pós-graduação em áreas como Branding, Comunicação, Inteligência Competitiva e Economia, por exemplo, podem contar pontos para quem deseja ser reconhecido como especialista no segmento.

Possuir um mestrado ou doutorado em área relacionada a Marketing pode ser, também, fundamental para pesar na balança na hora da escolha do profissional. Sugiro pós-graduação em áreas como Administração, Comunicação e Economia, tendo como objeto de pesquisa, a perícia em marketing.

Além de estar habilitado em termos profissionais e de formação, é importante que o futuro perito de marketing habilite-se junto aos tribunais, se necessário até visitando juízes e desembargadores para apresentar sua expertise.

Ressalto que de nada adianta cumprir os requisitos acima se o profissional não possuir conduta ilibada, estando com seu nome “limpo” no mercado e sem histórico de processos judiciais, uma vez que a sociedade deve reconhecer no profissional uma pessoa honrada.

E você, já pensou em ser perito de marketing?

Use sua monografia para conseguir emprego

Quando cursava o MBA em Marketing na Fundação Getúlio Vargas, em Brasília, decidi que queria trabalhar em marketing hospitalar. Acreditava que seria uma área promissora, uma vez que as instituições privadas de saúde careciam de direcinamento estratégico em seus mercados. Ao final do curso, elaborei uma monografia intitulada “A importância do Endomarketing nas instituições privadas de saúde”.

Confesso que o trabalho não saiu lá grande coisa, uma vez que tive meu tempo atropelado por um novo emprego no Taguatinga Shopping. Tirei nota 8 no trabalho, orientado pela professora Luciana Mourão Cerqueira e Silva (hoje na Universidade Salgado de Oliveira). Adicionei o título de meu trabalho em meu curriculum e o enviei a diversas instituições de saúde. Uma delas, o Hospital Santa Luzia, estava estruturando seu departamento de comunicação e marketing e chamou-me para uma entrevista, onde fui questionado sobre minha monografia e dada a oportunidade para “vender meu peixe”.

Passei por três etapas da seleção, mas não levei a vaga. Mas ficou a lição e desde lá venho recomendando aos meus orientados de trabalho de conclusão de curso que sejam criteriosos na definição de seus temas, pois estes podem devem ter relação direta com os objetivos profissionais deles.

A mesma recomendação serve para você, caro leitor. Você deu ou tem dado atenção ao desdobramento da escolha de seu tema para monografia? Lembre-se que ela pode ajudar a alavancar sua carreira.

Não encare a monografia como apenas um complicado exercício, mas sim, a possibilidade de criar interesse dos empregadores por seu nome. Pense nisso!

Já pensou em ser perito de marketing?

perito2

Em 2001, ano em que comecei como professor na Universidade Católica de Brasília, pude entrar em contato com profissionais ímpares no mercado. Um deles é Rossana Pavanelli, diretora da Hoje/EMP Consultoria, empresa dedicada a pesquisa, consultoria e avaliação.

Na época, Rossana já comandava a empresa e dedicava-se, também, à atividade docente em instituições de graduação e pós-graduação do DF. Porém, o que mais me chamou a atenção foi ela me contar que era perita de marketing. Rossana colocava seu conhecimento à disposição da justiça sempre que seus pareceres eram solicitados para dirimir dúvidas em um pendência envolvendo empresa e profissionais de marketing. Esta atividade exige um bom relacionamento com pessoas do judiciário para que se entre no seleto grupo de peritos.

Restrito ou não, o certo é que este é um caminho para profissionais de marketing desempenharem seu trabalho com o que tem de melhor: seu conhecimento. Para se ter uma idéia, dependendo da complexidade da pendência, um parecer de um perito de marketing pode custar até R$ 200 mil.

E aí, que tal ser um perito de marketing?

Vamos ajudar a Lay

Layanne Ribeiro é uma publicitária formada a quase dois anos e está fazendo o seu tão sonhado intercâmbio profissional (GIP) pela AIESEC em Marketing em Lisboa e está participando de uma promoção do Uniplaces (Site que faz reservas de acomodações para estudantes na Europa) para ganhar um semestre de acomodação paga. O dinheiro que ela recebe da empresa permite viver uma vida tranquila porém sem viagens, conferências em outros países e outras atividades importantes para seu currículo. Esta bolsa pode fazer a diferença na sua experiência e ela precisa da ajuda de todos. Para isto, basta votar no vídeo dela, neste link:

http://scholarship.uniplaces.com/u/layannearibeiro1366

A votação agora vai até o dia 30, e ela precisa se manter entre os 10 primeiros até lá. Atualmente está na 8° posição. Os passos para a votação são:

1) Clicar no link abaixo
2) Clicar em “VOTE”
3) Colocar seu e-mail na caixa de texto que aparecer
4) Ir no seu e-mail e confirmar seu voto

Agradeço a todos os leitores que puderem ajudar esta minha ex-aluna da UCB que batalha por seu futuro profissional. Vamos ajudá-la?

 

Quer aprender espanhol de graça?

busuu

Ao pesquisar cursos de espanhol gratuitos na internet, deparei-me com um ambiente interessante para o aprendizado deste idioma.

Trata-se do Busuu, uma startup que oferece o aprendizado gratuito de diversos idiomas. As aulas são formatadas de forma a permitir a compreensão da pronúncia e do significado das palavras, ajudando no ensino do idioma.

O site tem recursos mais sofisticados que são acessados mediante pagamento, mas a parte básica já auxilia bastante. Vale a pena conferir!

O risco de mais uma década perdida

Após a abertura econômica iniciada durante o Governo Fernando Collor de Mello e continuada por Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, os economistas e sociólogos passaram a chamar a década de 80 de “a década perdida”, em referência a um período de estagnação econômica em toda América Latina.

O fato de o Brasil estar fechado  às importações de produtos modernos como veículos e bens de informática (incluindo softwares) naquela década criou uma defasagem cognitiva e produtiva imensa entre nosso país e os mais desenvolvidos. Hoje percebo como poderíamos nos ter beneficiado mais de softwares que teriam tornado nossa vida melhor naquela época. Um exemplo simples é que, enquanto em 1984 os americanos já utilizaram o Microsoft Word, este software somente nos alcançou em 1990. Imagine então as plataformas tecnológicas mais sofisticadas destinadas a indústria…

Atualmente, sofremos o risco de vivenciar mais uma década perdida. Não me refiro mais à defasagem tecnológica, mas sim ao fenômeno sociológico da acomodação social. Nunca estivemos tão sintonizados com a modernidade, e nunca vimos uma geração tão desinteressada com a economia, a política, a religião e a família!

As políticas assistencialistas que asseguram renda mínima às famílias estão produzindo, paradoxalmente a uma melhor distribuição de renda, uma geração de famílias acomodadas com este auxílio, que está se tornando a finalidade em si, e não um meio temporário de subsistência. O seguro-desemprego também está produzindo este resultado; basta ver como aumentaram as fraudes trabalhistas. Somado a isto, boa parte dos jovens não possuem planos a longo prazo, mas apenas a preocupação com o momento presente, sem dedicação à família, ao trabalhou e aos estudos. Ou seja, o hedonismo pelo hedonismo.

Empresários, governantes e chefes de família devem se preocupar com isto, pois o futuro de nosso país está nas mãos destes jovens. A continuar desta forma, empresas terão problemas com mão-de-obra (como já estão tendo), o governo arrecadará menos impostos e os laços familiares se tornarão cada vez mais frágeis.

Os números de nossa economia comprovam o efeito deste status quo.

Ainda há tempo de corrigir os rumos de nossos jovens. É preciso atitude! Você está fazendo sua parte?

Escritório de histórias: uma empresa especializada em memória

Escritório

OEscritório de Histórias é uma empresa sediada em Belo Horizonte e com filial em Brasília que se dedica ao mercado editorial, explorando um nicho interessante.

Trata-se da tarefa de produzir a biografia de pessoas comuns e também a história de empresas, onde seus profissionais coletam, fotografam, pesquisam e até entrevistam pessoas buscando informações sobre a pessoa ou corporação. Ontem tive contato com um de seus produtos ao visitar a Gráfica Coronário, que estava produzindo uma luxuosa tiragem para um dos clientes do Escritório de Histórias. O produto final é um livro bem editado e impresso, que impacta pela qualidade.

Taí um mercado para os profissionais de comunicação e – por que não? – historiadores!

Já pensou em ser historiador de empresas?

Uma empresa sem história é uma empresa sem alma. Esta foi a frase que ouvi, certo dia, de Sebastião de Carvalho Neto, presidente do Grupo HC, empresa em que atuei como gerente de marketing por mais de 7 anos. Ele está certo. De fato, quando uma empresa deixa de registrar sua história, perde um pouco da comunicação de sua personalidade. Tenho percebido isto ao longo do tempo e visto como diversas companhias evitam ou não sabem como organizar seu acervo histórico, seja de informações, imagens ou memorabilia.

Acredito que este fato oferece uma importante oportunidade para historiadores, profissionais de letras ou de comunicação. Grande parte das médias e grandes empresas existentes hoje já ultrapassaram sua primeira década de existência, acumulando informações preciosas sobre sua história. Uma reportagem da Folha de São Paulo, publicada em 2004 sob o título “Historiador ajuda empresas a conservar o passado”, destaca a importância de um historiador de empresas.

Que tal oferecer ao mercado este serviço?

FIA divulga profissões do futuro

Uma pesquisa promovida pelo Programa de Estudos do Futuro (Profuturo), ligado à Fundação Instituto de Administração (FIA), apontou as carreiras promissoras para esta década. A lista abaixo baseia-se em informações do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos:

– Gerente de Eco-relações: profissional que irá se comunicar e trabalhar com consumidores, grupos ambientais e agências governamentais para desenvolver e maximizar programas ecológicos.

Chief Innovation Officer: interagirá com os funcionários em diferentes áreas da organização para pesquisar, projetar e aplicar inovações.

– Gerente de Marketing e-Commerce: gerencia o desenvolvimento e implementação de estratégias de web sites para vender produtos e serviços.

– Conselheiros de Aposentadoria: profissionais responsáveis por ajudar a planejar a aposentadoria.

– Coordenador de Desenvolvimento da Força de Trabalho e Educação Continuada: coordenador responsável por gerenciar programas para ajudar funcionários qualificados a atingir níveis avançados em suas áreas de especialização.

Bioinformationists: cientistas que trabalharão com informação genética, servindo como uma ponte para cientistas que trabalham com o desenvolvimento de medicamentos e técnicas clínicas.

– Técnico em Telemedicina: fará parte de uma equipe que oferecerá tratamento médico e diagnóstico para pessoas em áreas remotas.

– Gerente de Propaganda On line: desenvolve, implementa e gerencia a estratégia de propaganda com a utilização de web site.

– Coordenador de Terceirização Offshore: profissional responsável por cuidar que os fornecedores terceirizados estão mantendo determinados padrões, além de prospectar novas oportunidades de terceirização.

Chief Health Officer: profissional responsável pelo estabelecimento de programas para cuidados com a saúde e reavaliação do sistema de seguros da companhia.

– Especialistas em Simplicidade: profissionais que simplificarão e melhorarão a eficiência da tecnologia da corporação.

– Conselheiro Genético: identificam e dão suporte para famílias que têm membros com desordens genéticas ou aquelas que podem ter o risco de uma variedade de condições predisposições.

– Analistas de Networking: pesquisarão o verdadeiro fluxo de poder dentro de uma companhia.

– Geomicrobiologistas: profissionais que unem geologia, ciências do meio ambiente e microbiologia para estudar como microorganismos podem ajudar a fazer novos medicamentos e limpar a poluição.

– Gerente de Diversidade: executivo responsável por assegurar que nenhum grupo na empresa está sendo tratado com preconceito.

– Coordenador de Experiências Educacionais: criam métodos de aprendizagem que possam ser acessados de diferentes formas – como a Web.

– Age Adviser: conciliarão desacordos entre grupos de diferentes idades dentro das empresas e assegura que cada departamento tem um mix adequado de diferentes gerações.

– Web Producer: desenvolve, implementa e mantém aplicações de web para sites de e-Commerce consistente com a estratégia e imagem da companhia.

– Planejador de Reconstituição de Sistemas: desenvolve, projeta, testa e implementa procedimentos para proteger as atividades dos sistemas de informação no caso de emergências ou desastres.

– Historiador Corporativo: profissional responsável por resgatar projetos, programas, problemas, soluções e resultados da organização.

Um sonho que se realiza

Desde que comecei minha carreira docente, no curso de Comunicação Social da UCB, sonhava em realizar uma excursão para São Paulo, onde visitássemos agências de propagandas, produtoras de áudio e vídeo, gráficas e outros fornecedores publicitários.

Estou na UCB há 6 anos, mas somente nos últimos meses conseguimos reunir as condições ideais para viabilizá-la. Incumbi a agência Unitour – Turismo Universitário de elaborar a “logística” da viagem, indiquei nomes de empresas a visitar e desde dezembro começamos a intensa negociação para sermos recebidos por bons anfitriões. Na semana passada, terminamos de formatar a viagem e apresentamos à direção do curso, que, entusiasmada, apresentou a idéia à diretoria administrativa da Universidade, que também ficou empolgada.

Na quinta-feira, divulgamos para os alunos de Publicidade e Propaganda e obtivemos na ocasião, quase 60 pré-inscrições. Ontem, dia de acertos financeiros dos alunos com a organização da viagem, fomos surpreendidos por uma avalanche de alunos interessados em viajar e com dinheiro e cheques na mão. A responsável pelas inscrições, Vanda, ficou quase maluca com tantos alunos à sua volta. O resultado foi surpreendente: 2 ônibus com 68 alunos irão no dia 6 de abril conhecer o melhor do mercado publicitário de São Paulo.

Um sonho que se realiza e que será, sem dúvida, inesquecível!

Profissão de Marketing: Projeto de Lei que regulamenta a profissão de Marketing é reaberto

O Projeto de Lei que regulamenta o exercício do profissional de marketing voltou a tramitar no Congresso. Apresentado pelo Deputado Federal Eduardo Gomes (PSDB-TO) no plenário da Câmara no final de maio, o PL-1226 está na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aguardando um parecer do Relator, Deputado Filipe Pereira (PSC-RJ), já que foi encerrado o primeiro prazo para emendas ao projeto e nenhuma mudança(!) foi proposta.
Apresentando originalmente em 2005 pelo então Deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ), o PL foi publicado no Diário da Câmara dos Deputados no final daquele ano legislativo para ser apreciado pelas Comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público e de Constituição, Justiça e Cidadania, o que não aconteceu até o fim de 2006, quando o projeto foi arquivado porque o Deputado Eduardo Paes não se candidatou à reeleição e nenhum colega pediu a reabertura do Projeto.
Com isso, o Deputado Eduardo Gomes encaminhou o mesmo projeto à Câmara novamente.
Desde que nasceu, o projeto tem provocado discussões acaloradas. O principal ponto divergente está logo no primeiro artigo, ao caracterizar o profissional de marketing como responsável por desempenhar “atividade especializada de caráter técnico-científico, criativo e artístico, com vistas à criar e redigir textos publicitários, roteirizar spots e comerciais de TV, dirigir peças para rádio e TV, planejar investimentos e inserções de campanhas publicitárias na mídia, atender clientes anunciantes, produzir arte gráfica em publicidade e propaganda, gerenciar contas de clientes e administrar agências de publicidade”. De acordo com profissionais ouvidos pelo site, o texto confunde o profissional de marketing com o publicitário.
Outro ponto para lá de polêmico é que, se aprovado, a Lei vai impossibilitar que qualquer outro profissional não formado em marketing atue na área a menos que comprove experiência mínima de cinco anos ininterruptos. O Deputado que reapresentou o projeto ainda não tem nenhuma emenda ao PL, mas acredita na mudança do texto final.
Por enquanto, o Deputado caminha sozinho na missão de aprovar a regulamentação da profissão de marketing. Mas, para apressar o processo, Gomes espera criar comissões mistas entre a Câmara e o Senado. Um dos objetivos do parlamentar é acabar com distorções na atividade de marketing e promover uma seleção natural dos melhores profissionais. “Tem profissionais, na sua enorme maioria, que são sérios, que fazem um trabalho científico e que podem analisar se é de interesse promover a regulamentação da profissão acompanhada de uma nova dinâmica”, ressalta o Deputado, que diz estar disposto a discutir o projeto em audiências e debates públicos. Leia o Projeto de Lei na íntegrada e comente sobre a regulamentação da profissão de markering.

Você já pensou em ser um gerente de produto?

GerProduto

Por mais forte que se seja uma ação de marketing ou campanha publicitária, nada funciona se ela não entrar em sintonia com uma marca ou se o produto anunciado não cumprir as necessidades e expectativas de um consumidor. Na hora de alcançar os objetivos traçados pelo Marketing, o papel de um Gerente de Produto torna-se fundamental. Encarregado de gerenciar o ciclo de vida de uma linha de produto, ele é responsável por coordenar pesquisas, programas e planos de Marketing e, se necessário, modificar ou até mesmo excluir um produto se este não vai de acordo com o posicionamento e objetivos da marca ou empresa.

Para empresas que trabalham com muitas marcas e atuam em diversos mercados, fica difícil administrar o sucesso de produtos tão diversos entre si, correndo-se o risco de perder boas oportunidades pelo caminho. É nesse ponto que o Gerente de Produto torna-se essencial, ao se dedicar a uma gama limitada de artigos, com sua tarefa de comunicação e elaboração de planos de Marketing, ajustando-os às necessidades operacionais e mercadológicas, de modo que possam refletir o posicionamento e objetivos compartilhados nas mais diversas áreas de uma companhia, além de saber atingir o consumidor suprindo suas necessidades e desejos.

Mas a gerência de produto mudou, porque, devido à percepção cada vez maior pelas empresas do valor de uma marca como ativo, hoje ocorre uma fase de transição. O gerente de produto também um gestor da marca, e marca, hoje, é um ativo precioso. Esta função está disponível em indústrias de grande porte, mas muitas organizações de médio porte estão adotando este profissional em seus quadros.

Fique atento!