Projeto PEIEX: Missão cumprida

No dia 30 de setembro, desliguei-me do Projeto de Extensão Industrial Exportador – PEIEX, uma iniciativa da Apex-Brasil da qual tive o prazer de participar como consultor por um período de dois frutíferos anos.

Nestes 24 meses atendendo a clientes, tive a oportunidade de conviver com empresários de portes diferentes, com idéias diferentes e inovadoras. Também pude contar com uma equipe fantástica de colegas consultores, como Marcelo De Lucca, Sylvio Rego, Jocelita Palhano e Ulisses Medeiros, amigos com grande experiência em consultoria e soluções de negócios. Foram 2 anos de intenso trabalho, 1.200 documentos produzidos  e mais de 160 melhorias propostas para os empresários que atendi. Multiplique estes números por 4 e tenha a dimensão do trabalho desempenhado por nossa equipe!

Nos próximos posts, abordarei algumas destas experiências e soluções propostas para alguns dos 52 empresários atendidos. Espero que as histórias contribuam para muitos de meus leitores colocarem em prática soluções que podem alavancar muito os seus negócios. Por questões éticas, limitar-me-ei à essência dos problemas, sem citar nomes ou números que identifiquem a empresa atendida.

Caso desejem conversar pessoalmente sobre as soluções que proponho, estarei à disposição pelos meus contatos que se encontram na coluna ao lado. Fique à vontade para conversarmos, caro leitor!

Exportar é solução para produtos sazonais

roller

Um dos principais problemas de quem fabrica produtos de uso sazonal é como manter seu nível de vendas durante o período de baixo consumo. Isto porque nem sempre esforços maiores de comunicação e marketing são capazes de reverter a curva descendente da comercialização. O que fazer, então?

A solução mais saudável é prospectar exportações para mercados onde a sazonalidade do consumo é inversa à verificada no Brasil.

Um dos mercados que mais pode se beneficiar desta estratégia é o de produtos congelados, como comidas prontas, massas e sorvetes.

Recentemente, o diretor de um dos melhores fabricantes de pão de queijo de Brasília manifestou-me sua intenção de exportar seus produtos. No caso dele, que já está razoavelmente estruturado em termos de gestão e produção, o dever de casa para exportar já foi cumprido pela metade. Recomendei-lhe, então, buscar informações iniciais em sites governamentais como Aprendendo a Exportar, Brasil Export, Aliceweb e Radar Comercial.

Após se informar sobre o processo de exportação, o empresário deve participar de missões comerciais para conhecer o mercado de destino e potenciais compradores para seu produto. O processo de venda externa exige maior esforço e investimento que a venda no mercado interno, mas em alguns casos pode representar única alternativa para segmentos afetados pela sazonalidade vendas.

E sua empresa, já pensou em exportar?

 

Missão comercial é opção estratégica para negócios internacionais

A participação de um representante da empresa em missões técnicas ou comerciais, dirigidas a potenciais países importadores, é cada vez mais uma opção estratégica para quem deseja expandir seus negócios em nível internacional.

Em geral, as missões técnicas e comerciais servem para:

  • Verificar as possibilidades de exportação;
  • Analisar a estrutura política, econômica e social do mercado alvo e coletar informações;
  • Observar a concorrência e legislação comercial do país (patentes, barreiras técnicas, entre outras);
  • Conhecer e estabelecer contato com importadores ou seus representantes comerciais;
  • Viabilizar acordos e parcerias comerciais.

O maior benefício de uma missão em relação a uma viagem individual consiste nos contatos realizados. Valendo-se da experiência das entidades de apoio, é possível aos participantes marcar encontros com importadores considerados inacessíveis. As missões comerciais permitem ainda: divulgar o setor, divulgar as empresas, observar a realidade do mercado visitado, obter informações técnico-comerciais, visitar centros tecnológicos e empresas de ponta do setor, contatar entidades que promovam o comércio exterior. Enfim, possibilita conhecimentos e contatos que dificilmente seriam possíveis em viagens individuais.

A programação de uma missão empresarial é estruturada de acordo com os objetivos específicos do grupo, que podem ser a promoção de negócios, a realização de parcerias ou o contato com novos mercados ou técnicas. A agenda da viagem pode incluir a visita ou a participação em programas comerciais, políticos e técnicos.

Normalmente, esses eventos são promovidos ou apoiados por uma ou mais associações, organizações ou pelo próprio governo.

Ficou interessado? Acesse o site da Apex-Brasil e conheça as missões comerciais programadas para os próximos meses.

 

Promoção comercial é o desafio do empresário brasileiro no exterior

No período de 2001 a 2007 atuei como Gerente do Portal do Exportador, principal portal brasileiro de Comércio Exterior. Através de um serviço denominado Fala o Exportador, cuja equipe já respondeu mais de 20.000 questões sobre vendas externas, pude acompanhar as necessidades da comunidade exportadora. A principal delas era como promover o produto no exterior. De fato, a promoção comercial é um dos desafios para os empresários e para o Governo brasileiro. A maioria dos exportadores, normalmente, empreende uma viagem para o mercado de interesse e procura estabelecer parcerias com revendedores que o ajudem a ofertar seu produto. Empresas de grande porte, normalmente, possuem profissionais de marketing e comércio exterior que viabilizam sua promoção. Porém, para os empreendedores de pequeno e médio porte, os custos tornam-se inviáveis, pois a promoção ideal exige ações de propaganda, merchandising no ponto-de-venda, e-commerce e participação em eventos de seu segmento. No âmbio do Governo Federal, os primeiros passos dados foram a implantação dos sites BrazilTradeNet, do Ministério das Relações Exteriores (MRE), e Portal do Exportador, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). As ferramentas disponibilizadas oferecem alternativas para promoção on-line. Com certeza, um bom auxílio inicial para alavancar as vendas externas da comunidade exportadora.

Exportação: opção vantajosa para hoje ou para amanhã?

comercio exterior

O crescimento econômico verificado nos últimos anos no cenário brasileiro proporcionou às empresas nacionais uma expansão em seus negócios que parecia não mais ter fim. A crise européia e o freio no PIB chinês, porém, provocaram reflexos nas vendas e obrigou gestores tupiniquins a reverem seus planos. Neste contexto, qual a solução? Estimular o mercado interno ou incrementar as prospecções internacionais?

A meu ver, exportar nunca deixou de ser um bom negócio. O ambiente internacional, na verdade, apresenta dinâmicas semelhantes às que ocorrem no cenário interno. A complexidade só aumenta devido a diferenças lingüísticas e culturais. Adaptar-se ao ambiente globalizado é dispendioso, mas pode render bons frutos a quem persevera.

Crises econômicas são cíclicas e antevejo que o atual cenário irá melhorar com a gradual recuperação das economias européias, cujos governantes, mais cedo ou mais tarde, terão que fazer o dever de casa nos ambientes micro e macroeconômicos.

Os empresários brasileiros devem estar atentos aos movimentos econômicos e as oportunidades de negócio. Afinal, sempre haverá consumidores necessitando de produtos que podem ser atendidos por “players” nacionais.

Para aproveitar estas possibilidades, os gestores deverão fazer o que os gurus do marketing sempre apregoaram: conceber um bom produto, oferecer boas alternativas de distribuição, praticar um preço competitivo e divulgar adequadamente o que produz.