Dicas para uma propaganda cooperada efetiva

Ontem recebi correspondência de um leitor com dúvidas sobre propaganda cooperada, sendo que a principal delas é como ter controle sistemático para assegurar a prestação de contas ao cooperado e receber sua contrapartida.
É muito comum ocorrer um certo desequilíbrio na relação entre compradores da empresa e fornecedores. Nem sempre os papéis no processo de propaganda são claros e exclusivos. Na maioria das vezes, os diretores da empresa conversam sobre as linhas gerais do processo e deixam a seus subordinados o fluxo de realização das ações e o processo de prestação de contas e recebimento da verba.
A princípio, as melhores dicas que posso dar para que o processo de propaganda cooperada flua bem são:
1) É preciso estabelecer claramente a forma de cada fornecedor conceder a propaganda cooperada: abatimento prévio de um percentual na compra sujeito a futura comprovação da utilização desta verba; ou autorização para produção e veiculação das peças com consequente reembolso após comprovação física e/ou documental da campanha;
b) Deve-se sistematizar o processo, sendo que em alguns casos é recomendável a  contratação de pessoa exclusiva para este fluxo caso o calendário de ações cooperadas seja intenso e frequente;
c) Se o fornecedor não é organizado em seu processo de propaganda cooperada, será necessário que você cobre de cada um uma sistematização do processo, para que haja a concessão e a cobrança que cada negociação requer, deixando claro a seus funcionários como agir com cada parceiro comercial;
d) Equilibrar a proximidade entre compradores e fornecedores no momento de negociação e manter relativo “distanciamento” no processo de cobrança da verba.
Explicando melhor este último, acredito que muitos compradores podem já ter estabelecido uma relação de cumplicidade com os fornecedores a partir de amizades muito próximas, seja por muita identificação um com o outro ou até mesmo extrapolando o relacionamento ao ambiente social fora da empresa. É necessário que saibam ajustar isto, pois o desequilíbrio pode ser nocivo tanto à sua empresa quanto a seu parceiro comercial.
De qualquer forma, o gestor da organização deve acompanhar mais de perto esta área sensível do marketing da empresa, principalmente neste momento de volume menor de negócios que estamos vivenciando.
Anúncios

Em outubro tem curso de live marketing WTF. Programe-se!

WTF

Quer conhecer mais sobre live marketing? A galera da Katavento Online vai promover, no dia 24 de outubro, de 9 às 18 h, no UniCEUB (Asa Norte), o Curso de Live Marketing WTF,  que será apresentado pelo facilitador João Riva, diretor sócio da DuoVozz Inteligência.

Riva já atuou na Direção de Marketing do Grupo Runner e no Trade do Grupo Schincariol. Com vivência em agências de comunicação planejando para grandes clientes tem passagem pelo Banco de Eventos Dabster, Grupo Fischer América, entre outros. É co-autor dos livros “Marketing Promocional – Um Olhar Descomplicado” e “Trade Marketing – Ponto de Vista Expandidos”. Além disso, é palestrante e colunista de diversos portais e impressos especializados, e também membro do “Grupo de Pesquisa e Evolução de Mercado” da AMPRO (Associação de Marketing Promocional). Por fim, é professor de pós-graduação/MBA na FIA, Fundação Instituto de Administração e na FAAP, Fundação Armando Álvares Penteado.

Será um evento voltado aos profissionais com pouco ou nenhum conhecimento do setor de Live Marketing, estudantes das mais diversas áreas da Comunicação, além de profissionais do mercado que procurem olhar de forma ainda mais estratégica para suas campanhas de atração de clientes às lojas e fechamento de vendas.

No site  www.kataventoonline.com.br o público pode fazer as inscrições e encontrar os valores e formas de pagamento.

Programa-se e aproveite para conhecer ainda mais este tema que está crescendo no mercado publicitário brasileiro. Recomendo!

Promoção de vendas constrói marcas?

promo

A discussão é antiga: promoção de vendas constrói marcas?

Na minha opinião, creio que a resposta é “depende”.  Depende da agressividade da estratégia de promoção de vendas escolhida e da freqüência com que se utiliza esta ferramenta. Ao longo do planejamento de marketing, utilizar ações de promoção de vendas é até salutar. Mas utilizada em excesso, pode chegar a afetar a própria credibilidade da empresa.

Lembro-me que, na minha infância, assistia freqüentemente a comerciais de uma loja de varejo de Taguatinga, denominada Lojas Map, que tinha como símbolo um leão. Toda semana, veiculavam a informação de que estavam em promoção. De tanto anunciarem suas promoções, as Lojas Map perderam a credibilidade e viraram motivo de piadas. As Lojas Map, hoje, estão apenas na memória de quem viveu esta época.

Promoção comercial é o desafio do empresário brasileiro no exterior

No período de 2001 a 2007 atuei como Gerente do Portal do Exportador, principal portal brasileiro de Comércio Exterior. Através de um serviço denominado Fala o Exportador, cuja equipe já respondeu mais de 20.000 questões sobre vendas externas, pude acompanhar as necessidades da comunidade exportadora. A principal delas era como promover o produto no exterior. De fato, a promoção comercial é um dos desafios para os empresários e para o Governo brasileiro. A maioria dos exportadores, normalmente, empreende uma viagem para o mercado de interesse e procura estabelecer parcerias com revendedores que o ajudem a ofertar seu produto. Empresas de grande porte, normalmente, possuem profissionais de marketing e comércio exterior que viabilizam sua promoção. Porém, para os empreendedores de pequeno e médio porte, os custos tornam-se inviáveis, pois a promoção ideal exige ações de propaganda, merchandising no ponto-de-venda, e-commerce e participação em eventos de seu segmento. No âmbio do Governo Federal, os primeiros passos dados foram a implantação dos sites BrazilTradeNet, do Ministério das Relações Exteriores (MRE), e Portal do Exportador, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). As ferramentas disponibilizadas oferecem alternativas para promoção on-line. Com certeza, um bom auxílio inicial para alavancar as vendas externas da comunidade exportadora.

O que é o shopper marketing?

Shopper Marketing é uma evolução do conceito de Trade Marketing.  Esta nova área de estudo surgiu da necessidade dos profissionais atuantes na cadeia de Promoção e Vendas identificarem e compreenderem o que e como as pessoas pensam e agem no momento da compra como forma de aumentar as vendas no varejo de suas próprias marcas e ainda proporcionar uma experiência de compra mais agradável para o cliente.

Através da pesquisa de shopper marketing, é possível criar ações vantajosas junto aos varejistas, utilizando ações estratégicas focadas no aumento das vendas de suas vendas, das marcas da indústria e melhorar experiência de compra junto aos shoppers (clientes compradores).

Cabe ressaltar que o shopper marketing está interessado em compreender como o comprador age, e não como o consumidor pensa.  

O Shopper Marketing é um neologismo que procura juntar a ciência do Marketing (no caso do Trade Marketing) com os conhecimentos recentes sobre o comportamento do shopper dentro dos pontos-de-venda.

– O Shopper Marketing não entra em conflito com qualquer outra ferramenta do Marketing, estuda os compradores antes de se lançar um programa de comunicação no ponto-de-venda. O seu grande objetivo é descobrir como se comunicar da forma mais eficiente com uma pessoa que está em movimento, com 85% do seu cérebro ajustado no módulo automático, e ainda ser fiel aos princípios já elaborados de uma marca: posicionamento, branding, mensagem publicitária, promoção, atendimento, relacionamento humano etc.

Definição de Marketing Promocional

Eis a nova definição de marketing promocional, segundo a associação que representa a categoria, a AMPRO: “Marketing Promocional é comunicação de marca com objetivo de incrementar a percepção de seu valor por meio de técnicas promocionais e pontos de contato que ativem a compra, o uso, a fidelização ou a experiência de produtos e serviços”.

Ampro divulga nova tabela referencial de preços

A Associação de Marketing Promocional (AMPRO) acaba de apresentar a nova tabela referencial para a prestação de serviços de marketing promocional. Os valores foram obtidos com base em análise de mercado junto a clientes e agências, promovido pela atual diretoria da entidade.

“A tabela de custos referencial de 2012 é uma das mais amplas e completas já apresentadas pela AMPRO. O mercado promocional está em constante avanço, fato que exige que as agências entreguem trabalhos cada vez mais eficientes. Para isso, precisam disponibilizar estruturas maiores, mais qualificadas, envolvendo pesquisas, além de profissionais mais preparados e criativos, com atuação em todas as disciplinas para o sucesso dos projetos. Nesta nova tabela temos a inclusão de mais de 50 novos itens, com consulta fácil e ampla cobertura.”, afirma Kito Mansano, presidente da associação.

Acesse já a nova tabela referencial.

Skol lança ovo de páscoa “cervejado”

A Skol desenvolveu com a chocolateria Folie um ovo de páscoa (sob o nome de Redondinho), feito de chocolate trufado com recheio que leva Skol em sua receita. O produto vem em um kit com seis ovos redondos dentro de um mini-engradado personalizado.

O canal da cerveja no Facebook será a principal plataforma para comunicar o projeto, com ação desenvolvida pela F/Nazca, que presenteará aqueles que mais interagem com a marca na web. A partir do dia 27, os consumidores também poderão comprar o Redondinho pela fan page, em uma edição limitada de kits para venda por R$ 70,00.

Compra no McDonald’s dará direito a voucher para voar na Azul

A Azul Linhas Aéreas e o McDonald’s firmaram parceria para oferecer cupons de desconto em passagens aéreas da companhia para os clientes da rede de fast food. A partir desta quinta-feira, os clientes que comprarem uma McOferta ganharão um carimbo em uma cartela promocional da Azul. Após três carimbos, eles poderão trocá-la por um desconto de 50 reais para usar nas compras de passagens aéreas.

Foram distribuídas 5 milhões de cartelas em toda a rede McDonald’s e a promoção vale o dia até 1º de abril ou o término das cartelas. Para receber o voucher, o cliente das empresas deve enviar a cartela com os três carimbos pelos Correios. O código de desconto, válido até 30 de novembro para qualquer voo da Azul, será enviado por e-mail em até 20 dias. (fonte: Estadão)

Fraudes em promoções sofisticam-se e exigem cautela dos internautas

A promoção do Banco do Brasil em parceria com a Cielo é verdadeira, mas esta página da web reproduzida  é uma fraude. Trata-se de uma ardilosa correspondência enviada a diversos internautas, convidando-os a acessarem  este link e cadastrarem-se na promoção. O que nem todo mundo sabe é que para participar da promoção não é necessário se cadastrar, mas apenas realizar compras com o cartão Ourocard em uma máquina da Cielo.

Quem se cadastra nesta página estará fornecendo seus dados para quadrilhas de ciberbandidos. Portanto, amigo internauta, tome cuidado com as promoções! Procure acessar apenas as páginas oficiais das empresas patrocinadoras das promoções.

Perspectiva de instalação de outlet premium movimenta a cidade de Alexânia

outlet premium

Em março, a General Shopping anunciou a inauguração do  Outlet Premium Brasília, shopping de descontos que reúnirá diversas grifes, na cidade de Alexânia, em Goiás. A região faz parte do importante eixo Goiânia – Anápolis – Brasília e fica a menos de uma hora da capital federal.

O shopping de desconto terá o mesmo conceito do Outlet Premium São Paulo, localizado na cidade de Itupeva. Com mais de 121.000 metros quadrados, o Outlet Brasília terá capacidade para abrigar mais de 80 lojas e 2.000 vagas de estacionamento.

Os outlets são centros comerciais de marcas de grife destinados a dar escoamento a coleções passadas, ofertando produtos com até 50% de desconto real.

O empreendimento será inaugurado em 2012, mas a notícia já movimenta o mercado imobiliário de Alexânia, que ainda tem bons preços para quem apostar na valorização dos imóveis até lá.

A mercantilização do sonho da casa própria

A comercialização de imóveis no Distrito Federal já chegou ao patamar praticado na cidade de São Paulo, ou seja, com total mercantilização do sonho da casa própria. As incorporadoras e corretoras do mercado imobiliário, de olho nos recursos do programa Minha Casa, Minha Vida, lançam mão dos mais diversos recursos promocionais utilizados no varejo moderno: folders, banners, cores vivas em materiais que retratam o sonho da casa própria e muita promessa de felicidade! A isso some-se a escala industrial da produção dos imóveis, a maioria no entorno do DF, área reconhecidamente sem segurança e de lenta valorização no mercado.

Além dos produtos voltados para o programa do governo, as construtoras miram o hiperconcorrido bairro de Águas Claras, bairro de classe média cujo maior apelo é a oferta do transporte via metrô. Diversos players do mercado já possuem espaços especiais para demonstração de seus produtos e fazem intensas ações promocionais aos finais de semana, como churrasco, brunchs e outros eventos. Como não poderia deixar de ser, o atrativo mercado já despertou a atenção e a instalação na cidade de grandes empresas do mercado.

Chegamos à era da mercantilização do sonho da casa própria, o compromisso financeiro mais importante para uma família. Todo cuidado é pouco para quem compra. As ofertas são muitas, mas construtoras comprometidas com a qualidade e a entrega do imóvel são poucas. Cuidado!

Não dá pra controlar o Bob’s

Na quarta-feira passada, a rede Bob’s anunciou seu novo slogan  “Bob’s: não dá para controlar”. O novo posicionamento explora, com bom humor, a relação do público com a marca, destacando o sabor irresistível dos produtos da rede. Essa evolução no posicionamento é acompanhada também pelos planos de expansão do Bob’s e renovação de imagem da rede. Em 2010, a rede abriu 145 pontos de venda em todo o Brasil e, até o final de 2011, mais 200 estabelecimentos estão previstos, em um investimento de R$ 90 milhões. Desse total, cerca de R$ 17 milhões serão empregados pela rede na modernização de mais 120 unidades atuais, seguindo os novos padrões de layout. Também neste ano, a rede irá realizar forte investimento na área digital. O website da marca está sendo reformulado e buscará estreitar o relacionamento direto com o público, utilizando também as redes sociais e novas ferramentas, como o twitter.

O novo slogan, curiosamente, pode representar a passividade do Bob’s frente o crescimento do Giraffa’s, que chega aos 300 restaurantes em 2011. A rede brasiliense, depois que passou por uma consultoria de franchising, experimento um grande processo de expansão e disputa com a rede carioca a segunda colocação no mercado de fast food de sanduiches, embora eu particularmente não considere ambos como “fast food”, pois há relativa demora no atendimento do cliente.

De qualquer forma, as perspectivas são animadoras para a rede e o Bob’s corre atrás do tempo perdido. Boa iniciativa para um início de década.

Gastar ou investir em merchandising?

Merchandising

Em meus contatos com empreendedores, tenho oferecido meus serviços de consultoria de ativação de varejo, especialmente ações de merchandising no ponto-de-venda. Tenho encontrado nestes uma receptividade à idéia, porém uma indisposição ao investimento em ações que priorizem a oferta de informações sobre produtos na loja.

Em post anterior, ressaltei a importância em se adicionar informações textuais e visuais na loja para facilitar o processo de decisão de compra do consumidor. Preocupa-me, particularmente, pequenos lojistas que vivem do seu trabalho mas permanentemente adiam seus investimentos, como se estes fossem simples gastos.  Acredito que tal postura é compatível apenas com o desejo de estagnar o negócio e vê-lo naufragar nas águas da cegueira e da frustração.

O empreendedor que adia investimentos em promoção acreditando apenas no seu trabalho do dia a dia desperdiça a chance de crescer com rentabilidade. O consumidor necessita ser paparicado e bem informado no processo de vendas. Ignorar isto é decretar uma data final para seu negócio.  Evitar investir quinentos reais, por exemplo, em cartazes que podem potencializar a venda de determinados itens de seu estoque é uma atitude medrosa e incompatível com o espírito empreendedor. Afinal, nem todo mundo tem uma boa equipe de atendimento para suprir carências promocionais.

Investir no ponto de venda é o mínimo que um lojista pode fazer.