Já pensou em patrocinar um circo?

Marcas podem se beneficiar com patrocínio a esta arte milenar

Recentemente um circo se instalou perto de minha residência e por lá ficou por aproximadamente 30 dias.

Lembrei-me com carinho das atrações que me encantavam: o malabarista, o palhaço, o mágico, o trapezista. O circo tem sua fascinação junto às crianças e, principalmente, aos mais vividos, que o tem em suas memórias de infância com alegria.

Entretanto, percebo que não está sendo fácil a vida de empreendedores e trabalhadores neste segmento, cada vez mais relevado a segundo plano pela geração atual, que prefere megaeventos, de um lado, e o lazer caseiro proporcionado por internet e TV por assinatura.

Propaganda em carro de som, ações nas escolas e distribuição de bônus são táticas promocionais de que os circos sempre se valeram para atrair o público para seus espetáculos. Alguns circos renomados fazem publicidade na TV, em parceria com as emissoras. Manter um circo em um tempo de competição com outras formas de lazer e com a internet é um verdadeiro desafio.

Diferentemente de outros segmentos, porém, os circos são verdadeiro patrimônio cultural da humanidade. É preciso fazer algo para protegê-los. Mais que isso: acredito que os circos podem ser adotados pela iniciativa privada, pois podem oferecer contrapartidas ao investimentos institucional das companhias.

Para começar, uma empresa que patrocine o circo pode utilizá-lo para eventos diferenciados, seja pelo próprio local, seja utilizando suas atrações. Um circo pode ser o local ideal para uma convenção, seminários e tudo mais que as equipes de RH e marketing criarem usando este espaço lúdico para motivação e engajamento de seu público interno.

Para uma empresa que está presente em diversas capitais do país, por exemplo, o circo pode montar tournées tendo como roteiro o local de suas filiais, envolvendo tanto o público interno quanto o externo e, principalmente, a mídia, que possui boa vontade com a arte circense.

Creio que o orçamento milionário de marketing de companhias nacionais e multinacionais possa contemplar este tipo de patrocínio.

Para fomentar esta parceria, instituições como SEBRAE, por exemplo, poderiam atuar como ponte, capacitando gestores da casa de espetáculo a desenvolverem planos de parceria para proporem a empresas investidoras potenciais.

Fica aqui a semente de uma ideia que pode garantir a sobrevivência de uma arte milenar e um maior reconhecimento público a empresas engajadas com causas culturais e em busca de diferenciação de imagem em seus concorridos mercados.

O circo mais do que sobreviver: merece progredir. Viva o circo!

Anúncios

Hutger Hauer em Blade Runner: cena antológica marca um artista que deixa saudade

Rutger Hauer era um dos meus atores preferidos nos anos 80.

Primeiro, por sua atuação em Blade Runner. Depois, sua parceria com Michelle Pfeifer em “O Feitiço de Áquila”.

Mas foi na cena final de Blade Runer que o artista deixa sua marca, em uma cena antológica marcada pela sensibilidade estética.

Eis um artista que vai deixar saudade. Vá com Deus, Hauer, e muito obrigado!

 

Inteligência artificial ou “quebra-galho” tecnológico?

Bom senso x inteligência artificial

Inteligência artificial pode ser útil, mas não para tudo

Tenho percebido uma ansiosa procura por parte das corporações em usar recursos de inteligência artificial.

Cada vez mais este recurso é adotado na gestão, no marketing e até na seleção de pessoas, o que tem permitido a grandes corporações, por exemplo, recrutar colaboradores a partir de um grande volume de candidatos com grande abrangência geográfica. O que me preocupa, entretanto, no uso deste recurso é a falta de parcimônia no seu período pré-implantação nas organizações.

Adotar inteligência artificial exige testes rigorosos, validações e a certeza de que o recurso é plenamente viável, ético e vantajoso para a organização, sob pena de a inteligência artificial ser apenas um “quebra-galho artificial”.

Vale a pena participar de feiras e eventos?

Feiras

Participação em feiras exige planejamento adequado

Feiras e eventos de negócios são ótimas oportunidades para empreendedores.

São nesses locais que vão encontrar novidades para o setor, estreitar relações, conhecer novos parceiros e fornecedores, e principalmente impulsionar as vendas.

Mas para tirar um melhor proveito, é preciso pesquisar quais os melhores eventos para participar e de que maneira será sua participação.

Avalie o tipo de encontro, o público-alvo e se trará o resultado esperado. Determine quem ou qual equipe visitará a feira. Selecione as pessoas certas da empresa e que tenham domínio do produto ou serviço que seu negócio oferece.

Os encontros podem gerar bons resultados para sua organização.

 

Como fazer o lançamento de minha loja?

Abertura de loja

Com a estratégia correta, você pode lançar sua loja com eficiência

Abrir um negócio é tão especial que merece uma inauguração. Esse momento é único e pode fazer com que você comece com o pé direito.

Não perca o foco, organize um evento relacionado ao seu tipo de negócio. Se for um restaurante, por exemplo, faça uma degustação.

Divulgação é muito importante. Afinal, ninguém conhece seu estabelecimento.

Prepare um material de qualidade, com bom texto, informações sobre a inauguração e envie para a mídia. Para os moradores num raio de 1 a 2 km da loja, distribua panfletos de casa em casa.

Use também faixas e banners em frente à loja.

Prepare ofertas para chamar a atenção do público que passa em frente ao local.

No dia do evento, não esqueça de criar vínculos com os visitantes. Cadastre as pessoas e depois envie um agradecimento em mensagem de pós-vendas.

Como atender melhor o meu cliente?

Atender bem é fundamental

Na maioria das vezes, o atendimento é o diferencial de uma empresa

É comprovado que conforto e bom atendimento são decisivos na hora do cliente optar pela compra. São medidas simples e baratas que dão resultado.

Detalhes como ar condicionado, manobrista e entrega a domicílio são vistos com bons olhos e agradam os clientes. Música alta, bagunça e propaganda enganosa são alguns obstáculos que precisam ser eliminados.

Fique de olho nos produtos que interessa. Não adianta ter itens baratos e sem qualidade!

Esteja presente na vida do cliente. Invista em mala direta, redes sociais ou telefone, e convide-o para um café no estabelecimento.

Outra dica fundamental é criar um cliente misterioso, alguém de sua confiança que vai comprar e depois relatar tudo o que aconteceu. Essa é uma ferramenta de controle eficaz e barata. Com ela, você verifica o conhecimento dos vendedores, agilidade e a simpatia no atendimento.

Os 4 tipos de clientes

Tipos de clientes

Cada tipo de cliente exige uma negociação diferente

Ao longo de minha experiência mercadológico-comercial, constatei que existem 3 tipos de clientes conforme seu comportamento ao analisar uma proposta comercial.

O cliente 1.0 é aquele que está mais preocupado com o que o fornecedor irá receber com o serviço que propõe.

Já o cliente 2.0 é aquele que se concentra nos resultados que poderá ganhar com o investimento proposto.

Por sua vez, o cliente 3.0 preocupa-se tanto com a qualidade do serviço quando com os resultados que poderá obter.

E por fim, o cliente 4.0 é aquele que preocupa-se com uma relação sustentável, em que ambas as partes ganhem com o negócio, a partir de custos justos, serviço de qualidade e investimento otimizado.

Em qual categoria você se enquadra?

Textos interessantes sobre marketing digital

Blog da Integrate

O Blog da Integrate traz textos oportunos sobre marketing digital

Desde janeiro estou colaborando com o Blog da Integrate, empresa para qual trabalho.

Se você gosta de textos interessantes sobre marketing digital, saiba que explorei temas bem atuais para auxiliá-los a compreender melhor este universo mercadológico.

Hoje publiquei um texto muito esclarecedor sobre os cookies. Na semana passada, abordei o que é e para que serve o copywriting. Além deste conteúdo, também preparei um post legal sobre Design Thinking.

Acesse o Blog da Integrate e aprenda muito mais sobre marketing digital.

Óculos auxiliar leitura de deficientes visuais

 

Óculos de leitura Orcam

Óculos utiliza inteligência artificial para auxiliar leitura de cegos.

Houve um tempo em que apenas a linguagem Braille permitia a deficientes visuais o acesso à leitura. Mas agora a inteligência artificial está inspirando alternativas eficazes para aquela finalidade.

Um dispositivo com essa tecnologia foi o presente que Doron Sadka deu para recentemente para Lisandra, recentemente, no programa Caldeirão do Hulk.

Com a OrCam, Lisandra e muitos deficientes visuais poderão ler o conteúdo de livros em qualquer idioma, graças a recurso de inteligência artificial que reconhece os textos e seu idioma para, mediante áudio, transmiti-lo ao leitor.

Uma tecnologia tão poderosa como esta ainda vai ajudar muita gente, não acham?

Sabe qual foi o segundo shopping center construído no Brasil?

O Conjunto Nacional Brasília, no Distrito Federal, foi o segundo shopping center construído no Brasil.

Sua inauguração ocorreu em 21 de novembro de 1971, com ampla festa incluindo a presença dos super-heróis da época, Batman & Robin, incluindo os vilões do seriado e o Batmóvel.

À épóca, o centro comercial possuía, basicamente, o supermercado Jumbo e uma quantidade de lojas muito inferior à existente hoje.

E pensar que naquele dia da inauguração vivenciava os primórdios do marketing experimental, presenciando um show da dupla dinâmica que encantava a garotada!  Recordo-me com carinho da inauguração do CNB, pois ela marcou muito a minha infância. O shopping, particularmente, também foi um dos locais preferidos para passear com minha esposa e minhas filhas.

É difícil falar em Brasília sem citar este centro comercial cravado no coração da cidade!

Conjunto Nacional Brasília

O Conjunto Nacional Brasília foi inaugurado em 1971. (Foto: Daniel Fama)

 

Deborah cresceu e virou cantora e fotógrafa

Deborah Anderson

A filha de Jon Anderson com seu livro de fotografias

Ontem falei sobre uma das mais belas músicas que ouvi, Deborah, de Jon Anderson com arranjos de Vangelis.

A música foi composta para homenagear a filha de Jon Anderson, cantor da banda de rock Yes e parceiro do arranjador Vangelis nos anos 80 em diversos álbuns.

Pois não é que o tempo passou e Deborah Anderson cresceu? Hoje ela é cantora e fotógrafa.

Recentemente, Deborah dirigiu este vídeo da nova música de seu pai, intitulada “Makes Me Happy”.

Assista e encante-se!

Deborah: uma das mais belas canções de todos os tempos

Uma das mais belas músicas que ouvi foi Déborah, composta por Jon Anderson com arranjos de Vangelis, para homenagear sua filha.

Com uma letra inspirada, a música é uma carta de Anderson falando sobre o amor que tem por sua filha.

Os arranjos de Vangelis são  um capítulo à parte. O famoso tecladista grego empresa talento, criatividade e muita sensibilidade a uma letra que já é, por si só, uma preciosidade. Juntos, então, marcam uma música das mais belas já compostas!

Ouça, veja a letra e deleite-se!