O teste da bomba

Um anúncio de oportunidade criativo movimentou o Rio de Janeiro na década de 80. Uma residência da cidade de Petrópolis explodiu, sem vítimas, devido a um butijão de gás que provavelmente alguém esqueceu de desligar. À época, a mídia deu ampla cobertura ao evento. Um fotógrafo do jornal O Globo, para dar maior dramatiidade ao fato, fotografou a residência em ruínas tendo em primeiro plano uma cadeira tubular, na cor preta, intacta.

Antenados, os profissionais da agência de propaganda que atendia o fabricante da referida cadeira (Móveis Tubeline) propuseram imediatamente a este um anúncio de oportunidade. O anunciante aprovou e a agência veiculou, no dia seguinte, com o fato ainda “fresco” na memória do público, o anúncio. Tendo adquirido os direitos da foto publicada no dia anterior, a agência a estampou com um recorte da matéria do jornal e apenas um título: “O teste da bomba”.

Este anúncio é antológico e um bom exemplo de aproveitamento do fato jornalístico em benefício do anunciante.

Anúncios

O funk de Relações Públicas

Margarida Kunsch é a maior autoridade no estudo de Relações Públicas, a área mais regulamentada dentre as vertentes da Comunicação Social. Como apóio as iniciativas musicais com fins didáticos, apresento, no vídeo acima, o Funk de Relações Públicas, interpretado pelo MC Xikin, com direito a citação de Kunsch. Não é uma superprodução, mas vale o esforço da turma que produziu o vídeo.

Leilão virtual Lances de Vantagens, da Ipiranga, gera desconfianças nos usuários

Como novo produto de fidelização da rede de postos Ipiranga, o leilão virtual “Lances de Vantagens” vem gerando dúvidas nos usuários. Isto porque o site tem registrado inúmeros casos de lances com valores muito superiores ao valor real do produto leiloado.

Um bom é exemplo desta situação é o crédito em combustível no valor de R$ 500,00 arrematado pelo valor de R$ 824,00, enquanto o custo para a rede é de R$ 450,00. Desonestidade do site? Acredito que não, pois a rede vende o produto, no máximo, pelo valor de face a ele atribuído, no caso da gasolina, R$ 500,00.

O que provavelmente vem ocorrendo é a utilização de programas-robô por usuários. O uso destes softwares faz com que o usuário que o adota sempre seja o último a dar o lance nos 20 segundos, vencendo a disputa. Acredito que isto ocorra nos produtos mais atraentes, como o crédito de gasolina e aparelhos eletrônicos modernos. Imagino que não devam ser poucos os “rackers” que façam isto.

É bom que os gestores do site combatam este problema, pois ele afeta a imagem da rede de postos, que vem incrementando cada vez mais seu programa de fidelização de forma criativa. Eu, particularmente, desisti de dar lances no leilão virtual da rede. Pena!

Chegou a vez do RP?

No final dos anos 80, uma revolução dentro das corporações retirou da área de Relações Públicas o papel estratégico de gerenciamento do conceito da empresa. Assumindo o Marketing como setor, as corporações abandonaram a visão de Comunicação Social e priorizaram a ativação da marca com forte gestão comercial.

Resumo da ópera: em 10 anos, o setor de Marketing asfixiou a área de Relações Públicas com a sua promessa de resultados mensuráveis. Assim, nas duas últimas décadas, verificou-se a adoção da filosofia mercadológica em detrimento do relacionamento da empresa com o mercado.

Ainda há empresas que só procuram agências de Relações Públicas no estopim de uma crise, mas isto está mudando. “Antes não havia tanta preocupação com a reputação, mas hoje as empresas perceberam que ela pesa no bolso e isso acelerou o processo de valorização do nosso segmento”, afirma Kiki Moreti, diretora-presidente da InPressPNI, um dos principais players no mercado americano.

Embora todo tipo de empresas se proponham a monitorar o ambiente digital, parece-me que a área de Relações Públicas possui uma vocação histórica para esta atividade, até porque as redes sociais refletem uma repercussão da sociedade com a qual os RPs podem lidar tranquilamente.

Um dos maiores indícios da relevância do mercado de RP para a comunicação foi a inclusão de uma categoria específica para o setor no Festival de Cannes. Os bons cases de gerenciamento de crises são agora premiados no principal festival publicitário mundial.

Para quem deseja entrar para esta área, há cursos de Relações Públicas com duração de 4 anos. Que tal?

Embaixada de Israel incrementa suas ações de Relações Públicas

Na última quarta-feira, 20, pude rever o ex-aluno Leonardo Dalla, hoje assessor de imprensa da Embaixa de Israel. Juntamente com Denise Martins, Relações Públicas, Leo falou sobre os esforços empreendidos nos últimos anos pela Embaixada de Israel junto aos públicos de interesse, especialmente a imprensa, visando construir uma imagem favorável do país nas terras tupiniquins. Atuando dentro do conceito de Hasbara, que no Brasil estão traduzindo como “diplomacia pública”, ambos tem estabelecido contato permanente com a mídia tanto municiando-a com informações amplas sobre a realidade política israelense quanto promovendo outros aspectos, como a cultura. Leo citou, com exemplo, a vinda do grupo Voca People, que teve ampla divulgação das editorias de cultura de diversos veículos, bem como se apresentou em vários programas de TV. Leonardo e Denise se mostraram felizes na atividade diplomática e revelaram que há um campo, embora restrito, promissor para profissionais das diversas áreas da comunicação dentro de representações diplomáticas. É bom reencontrar alunos bem-sucedidos, mas melhor ainda é quando estes trazem importantes informações do mercado para quem ainda está freqüentando as cadeiras universitárias. Para quem desejar contato com assessoria de comunicação da Embaixada de Israel, o e-mail é hasbara@brasilia.mfa.gov.il

Agronegócio investirá em propaganda de categoria

Propaganda de categoria é o nome que se dá a publicidade que defende uma categoria econômica. É o que fará o segmento do agronegócio. Grandes empresas e entidades ligadas aos produtores rurais, às agroindústrias e à cadeia de insumos da agropecuária preparam uma milionária ofensiva de marketing institucional, incluindo campanhas em horário nobre na televisão estreladas por atores da Rede Globo.

Os objetivos são reverter a imagem negativa junto à população dos grandes centros e transmitir a ideia de um setor moderno, sustentável e essencial para o desenvolvimento socioeconômico do país.

Nomes como Bunge, Monsanto, Syngenta e associações como Abag (do agronegócio), Bracelpa (papel e celulose), Abef (frango), Unica (cana-de-açúcar), Fiesp (indústrias paulistas), CitrusBR (suco de laranja), Abrasem (sementes) e Sindirações (nutrição animal) fazem parte de um grupo de trabalho criado formalmente no início do ano para debater o projeto.

O custo da iniciativa ainda não está fechado, já que depende de quanto será arrecadado com os patrocinadores – membros ou não do grupo. Mas o investimento mínimo tem dois dígitos de milhões de reais.

“Tem que ser uma campanha de porte, senão não terá efeito”, diz o coordenador do grupo de trabalho, Adalgiso Telles, diretor de comunicação da Bunge.

Além de campanhas publicitárias em todas as mídias, o reposicionamento da imagem do agronegócio vai incluir trabalhos de relacionamento em redes sociais, relações públicas, levantamento de dados sobre o setor e preparação de porta-vozes do campo.

“Queremos chegar a todos os segmentos da sociedade, e não apenas aos formadores de opinião que, muitas vezes, já têm seus preconceitos com relação ao agronegócio”, diz o gerente de comunicação da Monsanto, Geraldo Magella. Ao todo, são cerca de 30 iniciativas previstas.

A proposta de realizar uma campanha de massa suprassetorial no agronegócio não é nova, mas nunca havia avançado tanto. O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, entusiasta histórico da ideia, foi quem levantou-a novamente em uma reunião na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) no ano passado. Rodrigues é membro do comitê executivo do grupo de trabalho.

O grande desafio, segundo Telles, é fazer convergir os interesses de todos os setores do agronegócio para propostas comuns.

“A característica mais importante do movimento é ser despersonalizado”, diz. As campanhas não serão assinadas por nenhuma das entidades ou empresas participantes.

O tema será debatido no congresso anual da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), que ocorre na próxima segunda-feira em São Paulo com o tema “Comunicação e Governança”.

“Em alguns dias ou semanas teremos as posições das principais entidades para concretizar o início da primeira fase do projeto”, prevê Telles.

Na próxima semana, pelo menos quatro entidades devem reportar ao grupo de trabalho o valor de suas contribuições.

Mas para vários membros do grupo de trabalho o projeto já é dado como certo. Até a escolha do garoto-propaganda já estaria feita: Lima Duarte. Outro filme para televisão seria estrelado por uma atriz mais jovem da Globo, para se aproximar dos públicos jovem e feminino.

Telles ressalva que nenhum contrato foi fechado e que nenhum real foi investido. “A agência pré-selecionada para executar o programa está fazendo o projeto sem receber nada”, garante. (Fonte: Brasil Econômico)

Verdade quase absoluta

Sabe quando uma marca procura demonstrar sua grandiosidade junto à opinião pública através de uma verdade relativa? Pois é o que a Brahma faz em anúncio atualmente veiculado na TV. Em comercial que utiliza o craque Luís Fabiano, a Brahma informa ser a primeira marca brasileira, na história, a patrocinar a Copa do Mundo. De fato, a marca é uma dentre o portfólio da Anheuser-Busch/Inbev e estará nas placas publicitárias na África do Sul em 2010. Porém, a cerveja Brahma estará estampada apenas nos jogos da seleção brasileira. Em jogos de outras seleções, como a Argentina, por exemplo, a marca a ser utilizada será da Quilmes, marca portenha. Esta variação se dará em função de um acordo com a Fifa, que permitirá este rodízio de marcas de um mesmo patrocinador.

Uma mesa, um laptop e um aeroporto

Alain de Botton nasceu em Zurique, na Suíça, em 1969 e vive em londres. Ele é autor de ensaios sobre o que ele descreve como “a filosofia da vida cotidiana”. Já escreveu sobre amor, viagens, arquitetura e literatura. Seus livros são best-sellers em 30 países. Foi um dos precursores da The School of Life, dedicada a pesquisar e aplicar um novo estilo de Educação. Em abril destes ano, publicou o livro The Pleasures and Sorrows of Work (algo como Os Prazeres e os Dissabores do Trabalho). A novidade, porém, é que o autor agora é writer-in-residence no aeroporto de Heathrow. Durante uma semana, ele trabalhará em uma mesa no corredor do ambiente, observando as pessoas e descrevendo tudo o que vê: encontros, despedidas, reeencontros, tristezas e alegrias dos transeuntes . O autor foi contratado pela agência de Relações Públicas Mische, com a intenção de mostrar como o ambiente é interessante. De Botton tem total liberdade para escrever o que observar. O livro será editado em setembro pela Profile Books e distribuído gratuitamente a 10 mil passageiros. Após isto, o autor terá os direitos para explorar como quiser. Que os aeroportos tem muitas estórias para contar, todos já sabiam. O que faltava era uma empresa investir em um escritor de aeroporto. Não falta mais!

Brasília será enredo da Beija-Flor em 2009

“A Beija-Flor será a escola de samba que homenageará Brasília no carnaval de 2010. O desfile comemorará os 50 anos da capital. Com o tema Brasília ao sol do mundo. Brasília, capital da esperança, a escola receberá um patrocínio de R$ 3 milhões do governo do Distrito Federal, pagos em parcelas de R$ 300 mil. O patrocínio foi fechado nesta sexta-feira (29/05),  no Rio de Janeiro pelo vice-governador Paulo Octávio.  Segundo o carnavalesco Alexandre Lousada, não se pode falar em Brasília sem tratar de sua história e de sua construção. “Será um desfile memorável”, garantiu.  Para conhecer melhor a cidade e seus moradores, Lousada visitará Brasília nas próximas semanas. A ideia é que ele consiga levar para a avenida algo que possa quebrar a imagem de uma cidade política-administrativa.  A escola de Nilópolis foi a campeã do grupo especial em 2008 com o enredo Macapaba equinócio solar viagens fantásticas ao meio do mundo, este ano a escola foi a segunda colocada, atrás do Salgueiro.” (Correio Braziliense, 29/05/09).

Projeto de patrocinador da Brawn GP leva Barrichello e Lauda ao espaço

O tricampeão mundial Niki Lauda e Rubens Barrichello farão uma breve viagem ao espaço, em um percurso que os deixará cerca de 5 minutos sobre gravida zero. O projeto é do patrocinador da Brawn GP, a Virgin Galactic. Para Rubens, será uma boa experiência. Já Lauda pretende aproveitar a viagem para treinar a pilotar uma espaçonave, já que ele, atualmente, gosta de pilotar boeings e airbuses como hobby. A viagem tem duração de duas horas e meia e chegará a 109 km acima da Terra.  Os seis passageiros farão um treinamento de três dias. Após retornarem a Terra, serão considerados oficialmente astronautas. A Virgini Galactic pretende, a partir desta viagem inaugural, realizar vôos diários. E aí, que tal viajar ao espaço por R$ 400 mil?

Parabéns, Profissional do Marketing!

Hoje comemoramos o Dia do Profissional de Marketing.  Nunca esteve tão em alta a nossa profissão, especialmente num momento intitulado de “crise financeira”. A verdade é que o dinheiro continua circulando e os profissionais de marketing “cantando, dançand e representando”, ou conforme a expressão popular, “rebolando” para obter resultados positivos para sua empresa. Em 2009, faz 20 anos que acordei para a possibilidade de atuar nesta área. A partir de então, conciliei as atividades de publicitário e de profissional de marketing, hora trabalhando como um e pensando, paralelamente, com o raciócínio do outro; e vice-versa. Parabéns, marketeiros!

Você sabe o que é backdrop?

O que é backdrop

Backdrop em entrevista de futebol

Mais um nome chique, em inglês, para nosso dicionário de marketing.

Backdrop é um painel com inscrições e logomarcas inseridas atrás de alguém que se apresenta em uma entrevista coletiva ou no pódio de uma premiação.   Também conhecido como estande pantográfico, backdrop é um painel modular muito utilizado em eventos como fundo de palco, ações de merchandising, apresentações e coletivas de imprensa.

Este painel  é constituído de uma armação que pode ser rígida (boxtrans) ou em sistema modular. Os backdrops são feitos, normalmente, de metal, com aplicação de serigrafia ou inscrições em vinil recortado.

Em nível tático, é uma ferramenta de publicidade oportuna para “pegar carona” nas imagens de impacto captadas por fotógrafos em eventos esportivos, jornalísticos ou promocionais.

As logomarcas inseridas, normalmente, referem-se ao patrocinador do evento ou da instituição onde ele se localiza. Na foto acima, um backdrop em uma entrevista coletiva do jogador Neymar.

Gostou? Acesse nosso dicionário de marketing e conheça mais expressões utilizadas no universo mercadológico!