Existe beleza na correria do dia a dia?

Um homem sentou-se numa estação de metrô de Washington e começou a tocar violino, ele tocou durante 45 min. Durante esse tempo 1,100 pessoas passaram por ele. Depois de 3 minutos um homem parou um pouco e continuou o trajeto. Depois uma mulher lhe deu o primeiro dólar, mal parou e continuou andando.

Alguns minutos depois, alguém se encostou à parede para o ouvir, mas ao ver o relógio retomou a andar. Quem prestou maior atenção foi um menino de 3 anos A mãe trazia-o pela mão mas a criança parou para olhar. Ela o puxou com mais força e o menino continuou a andar. Esta ação foi repetida por várias crianças.

Enfim ele parou de tocar, o silencio veio e ninguém se deu conta. Ninguém aplaudiu.

Ninguém sabia que este violinista era Joshua Bell, um dos maiores músicos do mundo.

Ele tocou algumas das peças mais elaboradas escritas num violino de 3,5 milhões de dólares. Dois dias antes de tocar no metrô, Joshua esgotou um teatro em Boston, cada lugar custou 100 dólares.

Esta é uma história real, Joshua tocou na estação de metrô em evento que fazia parte de uma experiência social sobre percepção, gostos e prioridades.

A questão era: num lugar comum, numa hora inapropriada somos capazes de perceber a beleza? Paramos para apreciá-la? Reconhecemos o talento num contexto inesperado?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s