Hutger Hauer em Blade Runner: cena antológica marca um artista que deixa saudade

Rutger Hauer era um dos meus atores preferidos nos anos 80.

Primeiro, por sua atuação em Blade Runner. Depois, sua parceria com Michelle Pfeifer em “O Feitiço de Áquila”.

Mas foi na cena final de Blade Runer que o artista deixa sua marca, em uma cena antológica marcada pela sensibilidade estética.

Eis um artista que vai deixar saudade. Vá com Deus, Hauer, e muito obrigado!

 

Anúncios

Por que seu negócio precisa de um website?

Ter um website facilita localização em mecanismos de busca

A Internet transformou a forma como as empresas se apresentam ao mercado e vendem seus produtos.

Atualmente, são inúmeras as possibilidades de divulgação e venda dos produtos na internet, mas tudo ainda começa com um moderno e funcional website.

Mas por que motivo sua empresa necessita criar e manter um website?

Aqui vão as razões definitivas para tomar sua decisão.

1 – Facilidade para o cliente encontrar a sua empresa

Se o consumidor procura por fornecedores de serviços e produtos em mecanismos de buscas, é com um bom site que elas encontrarão sua empresa.

2 – Menor custo na hora de encontrar possíveis clientes

Se o seu site receber em média 10 visitas por dia, ao final de 1 mês terá registrado 300 contatos com clientes interessados. E com uma boa manutenção de conteúdo e otimização das páginas (SEO), este resultado poderá ser ainda maior, gerando mais retorno com grande economia.

3 – Plena integração com suas redes

A implantação de um website amplia o alcance da comunicação que sua empresa já desenvolve nas redes sociais, gerando maior contato com os clientes e oferecendo a leis mais informações sobre produtos e serviços.

4 – Mensuração de dados e resultados

A partir de um website você poderá recolher dados dos clientes com facilidade e rapidez, identificando as informações que eles buscam e podendo, com isso, oferecer conteúdo mais apropriado e direcionado às suas vendas.

5 – É a decisão digital mais estratégica que você pode tomar!

Enquanto o alcance da comunicação de sua empresa é cada vez menor nas redes sociais, por exemplo, no website o alcance de clientes pode ser cada vez maior, pois você é quem “manda” neste território, executando estratégias que podem potencializar ainda mais o número de clientes visitantes e, consequentemente, suas vendas.

Agora que você tem elementos para decidir, está na hora de entrar neste jogo pra ganhar, não acha?

 

 

Filha, você tem o direito de ser diferente!

Reproduzo, abaixo, o texto de Stephen Kanitz que recentemente li e do qual compartilho a opinião e desejo em relação a minhas filhas. Espero que os caros leitores gostem!

“Querida Filha,

Decidi lhe escrever porque ultimamente estou muito preocupado com você, agora no início da sua adolescência.

Vou começar dizendo que você é muito especial, é única, e tem qualidades que ninguém mais tem.

Você também tem defeitos que ninguém mais tem, faz parte da vida.

No fundo, todo ser humano é um pacote de coisas boas e outras nem tanto.

Por isto somos todos únicos, e por isto interessantes.

Mas de uns tempos para cá vejo que você está morrendo de medo de que você seja diferente.

Está com medo que os outros a achem diferente.

Vocês agora querem ser iguais aos seus amigos, ao seu grupo, usando as mesmas roupas, fazendo tatuagens para fazer parte do grpo, bebendo muita cerveja, usando a mesma gíria.

Isto é o que educadores e sociólogos chamam de socialização, e eles acham isto importante.

Alguns vão além, querem que todos distribuam renda entre si, que todos sejam sexualmente receptivos a todos, ou pelo menos a mais de um homem ao mesmo tempo, querem liberdade sexual.

Seus professores nunca dirão que todos nós somos superiores em algum aspecto do caráter humano, e inferiores em outros.

E se soubermos potencializar a superioridade individual e minimizar as fraquezas individuais, teremos um mundo melhor.

Nivelam tudo.

Você era uma princesa, única, especial.

Mas de uns tempos para cá já não vejo diferenças entre você e e suas amiga.

Vestem-se igualmente, bebem, usam os mesmos símbolos, palavras e maneirismos.

Filha, você deveria ter orgulho de ser especial, e não ter medo. Medo de ser diferente, de vir de uma família estruturada, que soube lidar com as diferenças, e viver com elas em vez de se separar.

Você deveria ser incentivada a aprimorar a sua diferença, e não subjugá-la à vontade da maioria.

Seus professores deveriam incentivar todos a aprimorarem aquilo que nos faz especial, e não destruir dizendo que isto seria individualismo ou egoísmo.

Os genes que Deus deu a você são únicos, só você os têm.

E eu como seu pai imploro para que não tenha vergonha do que recebeu, que descubra a unicidade dos seus genes.

E os aprimore em vez de abafá-los para o bem comum.

E digo mais. É justamente este seu lado especial que fará com que você ajude os outros.

Os genes especiais que Deus lhe deu, se forem aprimorados, farão com que ajudar os outros seja mais fácil.

Deus me deu o gene de escrever, que como você sabe eu aprimorei ao longo dos anos.

E por isto ajudar os outros escrevendo é para mim uma tarefa fácil. Fácil e que adoro fazer, porque vejo os resultados.

Se isto é o meu dever divino, minha contribuição à sociedade, ao verdadeiro socialismo, e eu faço com prazer.

É um imposto que a sociedade espera de mim, que pago com prazer. Pode até ocupar 35% do meu tempo, mas parece menos.

Em vez de dar 35% da minha renda para uma burocracia homogênea e nada especial.

Portanto minha filha, não tente ser igual aos outros.

Não se esforce tanto para se socializar. Isto é um engodo imposto pelos seus professores, não pelos seus pais.

Quem vai ganhar muito com isso é o tatuador, a Ambev, a Nike, a Coca-Cola que fazem a sua cabeça que não deve ser igual a todas.

Uma cidadã igual às outras.

Feita para pagar os impostos direitinho, votar no candidato determinado pela cúpula do partido, comprar uma bolsa Louis Vuitton, e casar com um rapaz que se preocupa com os outros e não com sua própria família.

O homem que vai se apaixonar por você o fará pelas suas diferenças, e não pelas suas igualdades.

E você vai querer que ele se apaixone pelas suas qualidades e não pelas suas tatuagens, latas de cerveja e tênis Nike.

Portanto não se afaste de nós, sua família careta.

Não tenha medo de beijar o seu pai em público como você agora beija o seu professor de Sociologia.

Não tenha medo de dizer que você é diferente, especial, e quer nutrir esta sua especialidade para o bem comum.

Que você não quer ser a média medíocre da mediocridade que estão incentivando, onde tirar 10 é visto como ameaça ao grupo.

Filha você é especial, foi assim que Deus a fez, com genes totalmente únicos, diferenciados.

Te amo,

Seu pai muito especial.”

(Texto: Stephen Kanitz)