Feliz 2015!

 

20152014 teve tudo para ser um ano inesquecível. O ano registrou alegrias e tristezas e marcou nosso país pela realização da Copa do Mundo e pelas eleições.

O que esperar de 2015?

Para todos vocês, caros leitores, espero que seja um ano de grandes realizações e muitas alegrias.

Que venha 2015! Feliz Ano Novo!

 

Design thiking se consolida como técnica criativa

Design Thinking

Nenhuma marca mais tem dúvida do poder que está nas mãos de consumidores, que não hesitam em ir ao Reclame Aqui e às redes sociais contar experiências ruins com produtos e serviços. Eles também já não estão mais satisfeitos em aceitar as ofertas de modo passivo, querem ter voz e poder de influência naquilo que compram. Muitas companhias perceberam na metodologia do Design Thiking um modo de tirar suas próprias verdades e demandas do centro para colocar o cliente nessa posição privilegiada.

Esse novo modelo mental de solução de problemas busca desconstruir todas as respostas que o mercado já dá aos desafios diários, vai a campo vivenciar o que realmente falta à experiência das pessoas e escolhe alternativas, que são prototipadas e testadas a todo o momento, para minimizar riscos. Todas as fases favorecem que o pensamento criativo aflore entre aqueles que foram escolhidos para desenvolverem o projeto, equipes essas que costumam e devem ser multidisciplinares. Positivo, Natura e Coca-Cola são algumas das empresas que já adotaram a metodologia em seus projetos.

Fonte: Mundo do Marketing

Então é Natal

FelizNatal

Mais uma Natal chega e celebramos o nascimento de Jesus Cristo com muita esperança em nosso coração.

Gostaria de desejar Boas Festas a todos os leitores do Blog do Elias!

Que a Noite de hoje celebre, como dizia Padre Zezinho, a partilha do abraço e do pão! Feliz Natal!

O lado empreendedor de Luciano Huck

Luciano Huck começou sua carreira empreendendo por acaso: durante a faculdade de Direito, nos anos 90, abriu um bar em São Paulo com outros três amigos. O negócio deu certo, ganhou visibilidade e Luciano recebeu um convite para a redação de um jornal. Sua coluna se transformou em um programa de rádio, que se transformou em um quadro na TV. Assumindo-se como um cara de idéias, foi migrando seus interesses para esse ramo.

Quando chegou na TV Globo, em 2000, viu que televisão tinha virado uma parte séria de sua vida. Nessa época, ele tinha vários negócios espalhados pelo Brasil, de boate a hotel. Era a hora de focar e fechar seu ciclo como empreendedor. Vendeu tudo e voltou suas atenções para criar uma tv de alta performance que pudesse também servir de ferramenta para mudar a vida das pessoas.

No painel do CEO Summit, sendo mediado por Mario Chady, do Grupo Trigo, Luciano Huck conta um pouco mais desse seu lado menos conhecido. Acompanhe a trajetória empreendedora do apresentador.

Como utilizar o Canvas

Canvas

O processo de estruturação do seu negócio não precisa ser longo e detalhado. Principalmente em startups, tudo passa por validação e muda tão rápido que um relatório tradicional nem sempre é a forma mais prática de modelagem. O Canvas é uma ferramenta bastante eficiente para ilustrar as características do seu Modelo de Negócios (Business Model). Ele permite o gerenciamento estratégico utilizado em negócios existentes ou que ainda estão no papel.

O Canvas é um mapa simples e visual, que aborda os principais aspectos que o empreendedor precisa considerar ao trazer sua empresa para a realidade do mercado. Ele deve conter um resumo dos pontos chaves de um bom planejamento. O Canvas não substitui totalmente o Plano de Negócios (PN), mas é uma ferramenta mais fácil de ser utilizada no dia a dia e pode ajudar no ganho de competitividade, já que oferece agilidade ao processo e é flexível o suficiente para suportar alterações constantes.

Criando o seu Canvas

Seu modelo de negócios deverá possuir nove campos, que fazem parte de quatro pilares essenciais e insubstituíveis: infraestrutura, oferta, cliente e finanças. A infraestrutura diz respeito à avaliação dos recursos disponíveis para se chegar a um valor do produto para o cliente. A oferta se refere ao produto ou serviço oferecido ao consumidor e sua proposta de valor. O pilar de cliente é composto por público alvo, canais de contato com o consumidor (distribuição e marketing) e o relacionamento estabelecido durante e após a venda. As finanças abrangem os custos gerais e as fontes de receita da empresa.

A organização visual do Canvas já existe e o modelo pode ser baixado online no site do Business Model Generation (em inglês). Para que a equipe de uma empresa que deseja usá-lo possa discutir os aspectos de uma forma mais clara e tangível, recomenda-se a utilização de post-its no quadro impresso, que facilitam o preenchimento dos campos e sua alteração, quando necessário. Um Canvas preenchido visível a todos os colaboradores da empresa, como em um mural no escritório, permite uma visão completa do negócio e incentiva a reflexão sobre aspectos com espaço para melhorias.

Instrumento de inovação

O Canvas é uma excelente ferramenta para a diferenciação do seu negócio no mercado. Tendo uma visão objetiva do todo, é possível entender seu potencial e planejar melhor como atingir o seu público alvo e obter o retorno financeiro desejado. Além disso, nunca é tarde demais para rever seu modelo de negócios. O quadro é útil mesmo para empresas já maduras, mas que desejam entender melhor como seus setores interagem e inovar em seus processos.

Fonte: Endeavor

Marketing Público: o novo desafio da gestão moderna

Nas últimas décadas, o processo de comunicação das empresas evoluiu da abordagem simplista da “divulgação” para um enfoque voltado para os resultados das organizações. Esta mudança foi marcada pela valorização da área de marketing como alavancadora do desempenho comercial das empresas modernas.

O marketing evoluiu nos últimos 20 anos a partir da valorização do setor dentro do organograma e a abordagem cada vez mais próxima do consumidor, culminando com estratégias na internet que representam o “estado da arte” mercadológico. Atualmente, tudo o que os gestores de marketing sonhavam no final dos anos 80 hoje concretiza-se em forma de websites, e-mails, e-commerce, redes sociais e aplicativos. Tais ferramentas possibilitam uma proximidade maior com o consumidor e oferecem um grande volume de informações cadastrais, transacionais e de comportamento do consumidor que trazem novos desafios para a continuidade da comunicação e da oferta de produtos e serviços aos clientes.

O marketing sofisticou-se, e agora traz um desafio específico para uma área onde não se imaginava aplicá-lo: a gestão pública.

Na administração direta, este conceito ainda é difuso, confundindo-se com o da comunicação pública. Entretanto, na administração indireta, seja nas empresas públicas, nas autarquias ou mesmo em empresas concessionárias ou permissionários de serviços, o marketing traz novas possibilidades de abordagem e uma perspectiva maior de resultados.

Para exemplificar, tomemos o exemplo das empresas integrantes do sistema de transporte público de passageiros. Como estas organizações são remuneradas por passageiro transportado, seu grande desafio é estimular os usuários a utilizarem, cada vez mais, o transporte coletivo para se locomoverem. Para obter este resultado, cada empresa concessionária necessita aprimorar seus serviços e estabelecer uma comunicação diferenciada junto aos usuários para diferenciar sua marca. Neste contexto, a qualidade e a diferenciação são fundamentais para definir a predileção de usuários pelo meio de transporte oferecido pela empresa.

O marketing público está apenas “engatinhando” e oferecendo oportunidades para profissionais que se identificam com a área. Fique atento!