Restaurantes precisam valorizar funcionários

Ao conviver com a operação de uma rede de franquias, pude constatar a importância de os gestores valorizarem seu quadro funcional.

Ao frequentarmos um restaurante como clientes, não imaginamos o esforço logístico necessário para que os pratos deliciosos cheguem à nossa mesa. Pagar a conta é apenas a ponta de um processo complexo que começa na seleção adequada de insumos e a seleção do pessoal que atuará nos bastidores, especialmente na cozinha.

A maioria dos funcionários que trabalham em restaurantes possuem deficiências em sua formação, pois a maioria possui apenas o ensino fundamental, o que buscam compensar com trabalho duro para receberem um salário que não reflete necessariamente seu esforço e dedicação.

Aos gestores dos restaurantes, cabe qualificar melhor seus funcionários e valorizá-los, seja com melhor remuneração ou simplesmente transformando o ambiente de trabalho em um espaço de amizade, companheirismo e qualidade de vida. Afinal, onde está escrito que o funcionário de uma cozinha não pode sentar-se em algum momento?

Alguns caminhos são possíveis aos gestores para que ofereçam melhor qualidade de vida aos funcionários, como um plano odontológico, cesta básica, folga em um dia do final de semana, vestiários confortáveis e ventilados. Enfim, itens básicos que requerem pouco custo e uma certa racionalidade na distribuição de tarefas.

Ao negligenciar este preceito, muitos empresários se verão diante de uma dificuldade crescente em contratar funcionários, pois há grande rotatividade neste meio, principalmente onde falta as condições minimamente dignas para o trabalho de garçons, cozinheiros, atendentes e auxiliares.

Instabilidade econômica põe as franquias à prova

cmv

Nos últimos dois meses, vivenciei o dia a dia de  uma das principais franquias de restaurante do Distrito Federal.

Após analisar todos os aspectos internos da operação, pude constatar o quão é relevante a administração do fluxo de caixa fluxo de caixa da operação.

O franqueador deve preocupar-se com o CMV (custo da mercadoria vendida), para que obtenha o lucro desejado e evite desperdícios de recursos.  Neste contexto, faz diferença o franqueador  montar uma rede de fornecedores credenciados para oferecer a seus licenciados alternativas de qualidade e preço de insumos para seus pratos. Em um negócio onde a perecebilidade ameaça permanentemente seus estoques, a gestão adequada do CMV deve ser uma preocupação diária.

No atual ambiente de instabilidade econômica que nos encontramos, a gestão precisa de custos como energia, água, aluguel e, principalmente, ingredientes, é fator crítico para a sobrevivência das operações de franquia, por mais encantadora e bem modelada que esta pareça.

Assim, o segredo atual para os franqueadores é estabelecer um jogo de cintura para ajustar-se à competição do mercado sem perder o glamour de sua marca. Sabendo competir com criatividade e boa gestão de custos, uma rede terá vida longa e franqueados felizes.

Os cartuchos Flower Shell, ao invés de tirar vidas, geram novos organismos

Per Cromwell, que trabalha na famosa  agência de publicidade sueca Studio Total, criou um dispositivo inovador que subverte a ideia tradicional de armas e plantações.

Tratam-se de cartuchos de espingarda calibre 12 recheados de sementes que podem ser disparados em direção à terra para ajudar no plantio.

O projetil foi pensado com uma estrutura para proteger as sementes do calor da explosão da arma.

Ele já lançou três vídeos explicativos e diferentes qualidades de sementes. Já podem ser encontradas balas de margarida, girassol, lavanda e mais de dez espécies de planta.

(Fonte: Catraca Livre)

Doabox: novo portal para doações

doabox

Lauro Madetti tinha um computador que não usava e queria doá-lo, mas não conhecia nenhum lugar de confiança para fazer a doação. Da dificuldade, Mauro teve uma ideia. Por quê não criar um portal na internet na qual é possível cadastrar um objeto que possa ser facilmente procurado pela pessoa que precisa?

Assim surgiu o Doabox.com, plataforma que permite a doação de objetos e facilita o encontro entre doador e receptor.

O site funciona de maneira simples, basta criar perfil no portal e cadastrar a doação. Depois, é só aguardar o contato de outro usuário e combinar a entrega.

Para receber um objeto, basta procurar o que precisa no portal e clicar em “Receber esta doação”.

(Fonte: site Catraca Livre)

Missão comercial é opção estratégica para negócios internacionais

A participação de um representante da empresa em missões técnicas ou comerciais, dirigidas a potenciais países importadores, é cada vez mais uma opção estratégica para quem deseja expandir seus negócios em nível internacional.

Em geral, as missões técnicas e comerciais servem para:

  • Verificar as possibilidades de exportação;
  • Analisar a estrutura política, econômica e social do mercado alvo e coletar informações;
  • Observar a concorrência e legislação comercial do país (patentes, barreiras técnicas, entre outras);
  • Conhecer e estabelecer contato com importadores ou seus representantes comerciais;
  • Viabilizar acordos e parcerias comerciais.

O maior benefício de uma missão em relação a uma viagem individual consiste nos contatos realizados. Valendo-se da experiência das entidades de apoio, é possível aos participantes marcar encontros com importadores considerados inacessíveis. As missões comerciais permitem ainda: divulgar o setor, divulgar as empresas, observar a realidade do mercado visitado, obter informações técnico-comerciais, visitar centros tecnológicos e empresas de ponta do setor, contatar entidades que promovam o comércio exterior. Enfim, possibilita conhecimentos e contatos que dificilmente seriam possíveis em viagens individuais.

A programação de uma missão empresarial é estruturada de acordo com os objetivos específicos do grupo, que podem ser a promoção de negócios, a realização de parcerias ou o contato com novos mercados ou técnicas. A agenda da viagem pode incluir a visita ou a participação em programas comerciais, políticos e técnicos.

Normalmente, esses eventos são promovidos ou apoiados por uma ou mais associações, organizações ou pelo próprio governo.

Ficou interessado? Acesse o site da Apex-Brasil e conheça as missões comerciais programadas para os próximos meses.

 

A importância de Paulo Goulart para a publicidade

paulo-goulart

O Brasil perdeu hoje mais um de seus grandes atores: Paulo Goulart. Casado há décadas com a atriz Nicete Bruno e patriarca de uma família de artistas, como Beth Goulart, Paulo desempenhava papéis de grande carga dramática em novelas e peças de teatro.

Acompanho o desempenho deste profissional desde criança e passei a admirar suas atuações, seu caráter, e, principalmente, sua voz metálica e segura. Cresci desejando virar publicitário inspirado por comerciais por ele protagonizados, os quais apresentavam um desempenho digno dos melhores profissionais da dramaturgia.

Goulart não era requisitado apenas por autores de teatro ou de televisão. Sua personalidade e sua voz eram disputados por agências de publicidade que desejavam transmitir credibilidade aos produtos que anunciava. Invariavelmente, Goulart entregava o que dele esperavam.

Um dos comerciais clássicos na  publicidade brasileira é um alusivo ao Dia dos Pais, patrocinado pelo Banco Itaú e criado pela agência DM9DDB. A peça foi mereciamente premiada em festivais nacionais de propaganda.

A publicidade brasileira só tem a agradecer a este ator cuja carreira atravessou diversas gerações, que hoje o reverenciam. Obrigado, Paulo Goulart!

Um dos comerciais clássicos

Promoção comercial é o desafio do empresário brasileiro no exterior

No período de 2001 a 2007 atuei como Gerente do Portal do Exportador, principal portal brasileiro de Comércio Exterior. Através de um serviço denominado Fala o Exportador, cuja equipe já respondeu mais de 20.000 questões sobre vendas externas, pude acompanhar as necessidades da comunidade exportadora. A principal delas era como promover o produto no exterior. De fato, a promoção comercial é um dos desafios para os empresários e para o Governo brasileiro. A maioria dos exportadores, normalmente, empreende uma viagem para o mercado de interesse e procura estabelecer parcerias com revendedores que o ajudem a ofertar seu produto. Empresas de grande porte, normalmente, possuem profissionais de marketing e comércio exterior que viabilizam sua promoção. Porém, para os empreendedores de pequeno e médio porte, os custos tornam-se inviáveis, pois a promoção ideal exige ações de propaganda, merchandising no ponto-de-venda, e-commerce e participação em eventos de seu segmento. No âmbio do Governo Federal, os primeiros passos dados foram a implantação dos sites BrazilTradeNet, do Ministério das Relações Exteriores (MRE), e Portal do Exportador, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). As ferramentas disponibilizadas oferecem alternativas para promoção on-line. Com certeza, um bom auxílio inicial para alavancar as vendas externas da comunidade exportadora.

Empresário cria máquina de fazer sushi e lança franquia

Preocupado com a grande competitividade no setor e alto custo da mão-de-obra, o empresário Eugênio Ferrão desenvolveu uma máquina para fazer sushi. O novo equipamento está sendo patenteado pelo gestor e deu origem a uma franquia de comida japonesa intitulada Japa Express.

As unidades da nova rede de franquias será implementada dentro de hipermercados Carrefour, junto ao setor de peixaria. O empresário afirma que os custos são reduzidos em aproximadamente 30% de uma operação tradicional.

O investimento inicial para os candidatos a franqueados é de R$ 88 mil e o retorno é estimado em 20 meses.  A rede pretende  fechar o ano de 2014 com 40 lojas inauguradas.