Segunda edição da fenut apresenta produtos diferenciados e atrativos

Em sua segunda edição, a Feira de Empreendedorismo de Nutrição, realizada ontem, 28/09, apresentou produtos com alto valor nutricional e bastante atrativos ao público visitante.

Em seis estandes, 20 alunas da disciplina Empreendedorismo e Consultoria Nutricional ofereceram pastéis, sucos, cupcakes, tortas e bolos aos visitantes, vendendo uma expressiva parte de seus estoques.

A exemplo da primeira edição, o evento foi realizado conjuntamente com o VIII Cinemarketing, em uma parceria interdisciplinar com os cursos de Administração e Comunicação Social que tem tudo para se repetir novamente, graças ao sucesso alcançado.

Anúncios

UCB realiza oitava e maior edição do Cinemarketing em oito anos

Concebido inicialmente como exercício das turmas do professor Elias Rodrigues de Sousa, o Cinemarketing registrou, ontem, o maior número de expositores em oito edições. Foram 82 alunos apresentando, em 20 estandes, serviços de empresas figurantes em filmes de película.

“As edições iniciais tinham, no máximo, 40 alunos. Eram muito precárias”, lembra, com carinho, o professor organizador.

Pela segunda vez, o evento foi temático. Ao contrário do evento realizado no semestre passado, que abordava alimentação, desta vez os alunos tiveram que focar as empresas na área de Serviços. Nada de vender comida, mas sim prestar serviços. Este era o mote do evento.

Entre os serviços oferecidos estavam clínica veterinária, salão de beleza, academia de dança, estúdio de pilates, consultoria financeira, correio elegante, estúdio fotográfico e cabine de fotos, entre outros.

O espaço do evento também era novo. Pela primeira vez, o anfiteatro do bloco K sediou a feira, possibilitando acondicionar mais empresas do que as edições anteriores, restritas ao hall coberto na entrada do edifício.

As avaliações foram extremamente positivas, estimulando a organização a planejar aumentar o número de alunos participantes. Nos próximos dias, estaremos apresentando o vídeo oficial do evento.

A internet, a juventude e uma – quase breve – reflexão

A Semana de Comunicação da Universidade Católica de Brasília, popularmente conhecida como Secomunica, chega ao meio. Meio tempo, meio do tempo que dura qualquer semana, em especial esta, que pensa sobre ele, o tempo. A mesa desta quarta, dia 27, prometia! Fala de nós, sim, nós jovens criados em frente a uma tela, seja ela de computador, videogame ou televisão, LCD ou LED. A Geração da Tela.
A professora Valesca Lobo, da UCB, media a mesa. Os convidados desta noite, diga-se de passagem, de expressão significativa, são Karla Carvalhal, representante da MTV em Brasília, e Marco Frade, diretor de mídia da Artplan, uma das maiores agências de publicidade da capital federal.
Antes, como gancho da mesa – melhor dizer debate? Sim, foi um debate entre todos que quiseram dele participar – foi exibido um resumo de uma pesquisa da MTV, o Dossiê Universo Jovem 5. Trata – como o nome diz – dos jovens, de 12 a 30 anos, das classes A, B e C. Tenta entender suas preferências, expectativas, comportamentos – se é que isso é possível.
A internet é onipresente
A inovação constante da tecnologia e dos games é fato. Seu uso é parte constante da vida de toda a população, principalmente dos jovens. O tempo – sim, ele mesmo – gasto (leia-se perdido) em atividades que não rendem muito retorno, que são apenas entretenimento, é muito. E se esse tempo fosse melhor utilizado? Já parou para pensar quantas coisas você, isso mesmo, você amigo internauta, poderia realizar? Mas não venho aqui ser moralista, é só uma observação. Digamos, jornalisticamente falando, um gancho para refletir.
A internet é onipresente. Sim, não somos só eu e você, amigo internauta, que acreditamos nisso, esse é um dos tópicos da pesquisa exibida em vídeo. Os depoimentos no documentário atestam isso. Guilherme de Rosis, 27, declara: “Eu sou refém da internet”. A leitura, o relacionamento, o estudo, tudo é feito pela internet. Então, pra quê sair de casa? Um aluno presente à palestra, Bruno, do 5º semestre de jornalismo, cita a Solidão Interativa.
Nós, jovens, sabemos que a internet limitou os relacionamentos. As pessoas não se veem mais tanto quanto antes. “Paquerar por MSN é mais fácil, mas brigar pela internet é muito mais difícil”, afirmou um dos entrevistados do vídeo. Concordo. E vocês? Aliás, nessa linha, pensamos: Para que ter amigos reais se você pode ter virtuais e os bloquear quando quiser? Quando enjoar, você sai fora. E se eles enjoarem de você?
A dica da noite é valorizar quem e o quê realmente valem a pena (leia-se: família e carreira). Sim, sim. Falando em família, prole, a chamada “célula mãe da sociedade”, engraçado um dado mostrado no vídeo: 40% dos jovens pesquisados não têm mãe e pai morando juntos, contudo 71% destes mesmos jovens pensam em se casar. Sim! Ainda tem gente que acredita na instituição casamento! Curioso, né?
O tempo da palestra dessa noite? O tempo de refletir. Como disse Karla Carvalhal, “Todo vício leva a gente ao desequilíbrio”.
(Texto: Janine Martins – OPN/UCB)

Secomunica promove hoje oitava edição do Cinemarketing

O anfiteatro do Bloco K da UCB será palco, hoje à noite, da oitava edição do Cinemarketing. O evento é constituído de uma exposição mercadológica onde alunos da disciplina Marketing I, dos cursos de Publicidade e Administração, representam empresas figurantes em filmes de película. Pela segunda vez, o evento será temático, oferecendo, ao público, desta vez, a prestação de serviços.

Nos estandes, notebooks exibirão o filme escolhido pelos participantes, enquanto estes executarão serviços propostos pela empresa abordada. Em 20 estandes, os alunos oferecerão serviços de salão de  beleza, consultoria financeira e muitos outros.

“Creio que será o maior e melhor Cinemarketing que já fizemos, a julgar pela animação dos alunos e pela quantidade bem maior de participantes que teremos”, aposta o professor Elias Rodrigues de Sousa, criador e coordenador do evento.

O Cinemarketing compõe a primeira etapa de um trabalho de planejamento de marketing que os alunos cumprirão até o final do ano, como atividade principal da disciplina. Os resultados tem sido bastante positivos, como relatado em post anterior.

Você está convidado a participar do evento, que terá entrada franca. Nos próximos dias, mostraremos como foi a festa.

Palestra sobre TV Digital movimenta terça-feira da Secomunica

Terça-feira, 27 de setembro, segundo dia da Secomunica, a Semana de Comunicação da Universidade Católica de Brasília (UCB).  Palestra da noite: TV Digital Interativa, com José Machado, da empresa TOTVS. Mas antes, uma breve pausa para o riso. Intervenção cultural. Palhaços simpáticos do grupo de teatro da UCB descontraíram o início da noite. Mas isso foi só o começo.

“TV Digital não é um sonho, é o que está acontecendo”. Uma das primeiras frases do palestrante tenta deixar essa nova tecnologia mais próxima do público. Durante a palestra, José Machado elucida a diferença entre a TV analógica e a TV digital. A qualidade pode ser tida como palavra chave da diferença a prima vista.

O padrão brasileiro hoje é considerado o melhor do mundo, segundo Machado. TV X mobile Existem diferenças entre a TV digital comum e a de dispositivos portáteis, como celulares. Entre elas, controle remoto versus touch screen, imagem adaptada ao tamanho do visor, entre outras.

No Brasil, o padrão da TV Digital se chama Ginga, usado em 95% dos países da América Latina, em algumas localidades da África, além de Japão e Filipinas. Em outros sistemas essa modalidade de TV geralmente é associada à TV por assinatura, ou seja, é paga. O Ginga não. O capital deste tipo de transmissão vem de comerciais. E a interatividade? É ela que diferencia a TV Digital de uma TV nova, a TV Digital Interativa. Nesta última modalidade, o telespectador não é mais apenas recebedor passivo de conteúdo, ele faz parte, decide o que irá ver.

Há dois modos de interação: local ou plena. Nesta última, é necessário o acesso à internet. As novelas da rede Globo, como mostrado pelo palestrante, já adotam um sistema de interação, e alguns reality shows, como o Big Brother, também. Enquetes, perfis dos personagens e/ou participantes, resumo e fotos dos capítulos anteriores são alguns dos recursos disponíveis neste novo modo de fazer televisão. Alguns canais optam por utilizar o conteúdo junto com a imagem que passa na programação normal.

Envolvidos nesta cadeia de valor, como denominado pelo palestrante, são os broadcasters, que são as grandes mídias, os canais televisivos; os usuários, popularmente conhecidos como telespectadores; os fabricantes de TV e STB e as empresas de software, que produzem as interfaces.

O palestrante também traz o conceito da TV conectada, que é capaz de realizar algumas ações que [ainda] não são típicas do aparelho, chamado Sticker Center. Ele é parte do padrão brasileiro, portanto, não carece de ser adaptado. Alguns aplicativos já podem vir no aparelho, e outros podem ser baixados numa loja on-line, como a Apple já faz no Iphone, Ipod, Ipad e Macs. Jogos, aplicativos para previsão do tempo, notícias, trânsito, acesso à conta bancária e até compras já estão a um clique de controle remoto feito do sofá.

Tira tema Antes da palestra, José Machado conversou com a gente e adiantou, em poucas palavras, as diferenças e inovações da TV Digital Interativa: Qual a diferença entre tudo que já se viu e a TV Digital Interativa?

A diferença é a interatividade. É o mesmo conteúdo: se você via novela, você vai continuar vendo novela, mas além disso você interagir com a novela agora, você pode votar no Big Brother, você pode fazer uma série de coisas que não podia fazer antes. Então a TV Digital Interativa vem para permitir que você tenha uma experiência mais completa. Como isso é feito? Pode ser feito via web ou de uma forma diferente para quem não tem conexão com a internet.

Isso faz com que a televisão signifique muito mais na vida das pessoas? Sim, a ideia é que a televisão seja um aparelho mais presente, mas que chame menos a atenção. Vai ser natural. Em vez de você sentar na frente da televisão para ver um filme ou uma novela, ela vai virar um utensílio natural da sua casa. Você usa para ver a previsão do tempo para hoje, para ver o trânsito. Você não vai esperar o programa do trânsito passar. Vai entrar, acessar e ver o vídeo do trânsito em tempo real. Vai dar pra ver um programa e poder escolher um vídeo de um programa que já passou. É meio complicado resumir isso tudo, mas espero que vocês entendam.

(Texto: Janine Martins – OPN/UCB)

Hoje tem Fenut na UCB

Hoje à noite a Universidade Católica de Brasília realiza mais uma edição da Fenut – Feira de Empreendedorismo em Nutrição. No anfiteatro do Bloco K, vinte alunas do curso apresentarão opções saudáveis de alimentação aos mais de 1.200 visitantes previstos para o evento. A julgar pela primeira edição, o evento tem tudo para ser um grande sucesso!

Os segredos de Kate Perry

Devido a uma migração de TV por assinatura, não pude assistir ao show de Kate Perry, no Rock in Rio, via TV. Sobrou-me a alternativa de acompanhar pela web a performance de Katheryn Elizabeth Hudson Brand, a festejada cantora estadunidense Kate Perry. Ficou evidente, em sua apresentação, a sinergia da cantora com o público brasileiro.

Kate utiliza seu carisma para divertir a platéia com seu jeito alegre e, simultaneamente, sério, como que a “tirar sarro” do espetáculo. Ela mobiliza a platéia com seus refrões contagiosos. A banda que a acompanha segura a onda e leva a multidão ao delírio, criando uma atmosfera de puro entretenimento, em uma produção impecável.

O Brasil é o mercado onde a artista mais consolidou-se e é curioso como Kate também seduz quarentões, como eu, que apreciam músicas alegres e envolventes. Se eu já gostava do clipe de Fireworks, a versão da canção ao vivo deixou-a mais mais vibrante ainda!

Longa vida, Kate!

Começou nesta segunda-feira a XI Secomunica. O tema da vez é tempo e tudo relacionado a ele, em uma homenagem aos quinze anos do curso de Comunicação Social na Universidade Católica de Brasília e aos três anos do mestrado. Com o auditório lotado, as atividades da manhã começaram com uma apresentação sobre relógios e calendários. Em seguida, o professor André Luís Carvalho, ao lado do professor João Curvello, diretor do mestrado, e do ex-aluno William Passos, da primeira turma de formandos, hoje professor de Comunicação, contou a história da Semana da Comunicação e falou sobre o curso na UCB, suas extensões e projetos e a importância de tirar proveito dessas possibilidades durante a vida acadêmica.

A primeira palestra da Secomunica seria do jornalista José Marques de Melo, sobre Comunicação e Tempo. Porém o palestrante não pôde comparecer. Por telefone, ele se desculpou com os alunos e fez uma pequena introdução ao tema, que foi posteriormente aprofundado pelas professoras Cosette de Castro e Sheila Oliveira, que usaram como base para a apresentação as anotações e ideias do jornalista.

José Marques de Melo possui um grande histórico no campo da Comunicação. Foi o primeiro doutor em jornalismo do país. Formado em 1943 pela Universidade Brasileira, fundou a Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação), escreveu mais de 30 livros, entre outras contribuições. Em seus estudos sobre Comunicação e Tempo, ele ressalta a importância da história da comunicação, e usa como referências o pesquisador Luiz Beltrão, conhecido pelos estudos sobre Folkcomunicação, e o pedagogo Paulo Freire. Ambos em algum momento se envolveram em discussões sobre mídias e seus papéis.

Ao fim da apresentação, as professoras abriram espaço para a participação dos presentes. O professor Lunde Braghini comentou o trabalho de José Marques e complementou a apresentação com sua opinião sobre os estudiosos apontados. Em seguida, outros alunos também participaram emitindo opiniões.

(Texto: Gabriella Avilla – OPN/UCB)

Começa hoje a XI Secomunica

A Semana da Comunicação da Universidade Católica de Brasília comemora os 15 anos da graduação e os três anos do mestrado com uma edição dedicada ao tempo, entre os dias 26 e 30 de setembro no Campus I, em Taguatinga. A 11ª edição da Secomunica discute “Os tempos da comunicação” com palestras, mesas redondas, oficinas, atividades culturais e exposições.  Uma das atrações será o astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão. Um dos primeiros divulgadores de ciência do país e primeiro vencedor do prêmio José Reis de Divulgação Científica, oferecido pelo CNPq, Ronaldo irá falar sobre a importância da perspectiva histórica na construção das narrativas jornalísticas.

Sérgio Malbergier, jornalista premiado pelas coberturas aos atentados ao World Trade Center, em 2001, e ao metrô de Madri, em 2004, é outro palestrante convidado. Representantes da MTV apresentarão o estudo “Screen Generation”, um retrato dos hábitos de consumo de mídia e dos jovens brasileiros contemporâneos.

A Secomunica também dedicará um espaço diário, por meio de palestras, mesas redondas e oficinas, para debater e refletir sobre as mídias digitais. Na Semana de Mídias Digitais “Espaço sem tempo e Tempo sem espaço – a geografia das mídias digitais” estarão presentes nomes como Gabriel Priolli, um dos mais destacados teóricos sobre TV digital no país, e Maria Cristina Gobbi, vice-coordenadora no exercício da coordenação do Programa de Pós-Graduação em Televisão Digital da Unesp.

Nesta quarta-feira tem a segunda edição da Fenut

No dia 25 de maio deste ano, o curso de Nutrição realizou a primeira edição da Feira de Empreendedorismo e Nutrição da UCB. 30 alunos apresentaram e venderam, em seus estandes, diversas opções de alimentação com grande valor nutricional. No vídeo acima você confere o astral do evento, que tive o prazer de coordenar.

Nesta quarta-feira realizaremos mais uma edição. As alunas da turma de Empreendedorismo e Consultoria Nutricional estão animadas. Em breve, teremos mais um vídeo da FENUT aqui no blog. Se puder dar uma passadinha no Campus I da UCB na quarta-feira à noite, apareça!

Fenerbahçe x Manizaspor: Isto é que é mobilização!

O vídeo acima retrata à fidelidade do consumidor a uma marca da Turquia. Punido por sediar uma partida marcada pela violência dos torcedores, a equipe de futebol Fenerbahçe recebeu a proibição da presença de torcedores do sexo masculino em seu jogo com o Manizaspor, nesta teça-feira.

A proibição não foi suficiente para esvaziar o evento. Na hora do jogo, um público avaliado em 41 mil mulheres e crianças estava presente ao estádio Sukru Saracoglu. A partida terminou empatada em 1 a 1, mas foi um belo exemplo de fidelidade à uma marca e também a uma promoção, pois a entrada foi gratuita.

Lindo, não?

Shopper marketing: nova ferramenta ou mais do mesmo?

Inspirado pela metodologias do urbanista William H. Whyte, e tendo vivido em diversas cidades filho de um diplomata, Paco Underhill fundou, em 1977, em Nova York, a Envirosell, uma empresa de pesquisa comportamental. Sua ampla experiência em planejamento urbanístico-ambiental levou a publicar seu primeiro livro, “Por que compramos? – A Ciência das Compras”, best-seller publicado em 27 idiomas.

O autor passou a ser referência e virou colunista de publicações como The New York Times, a revista Money, The Washington Post e The Wall Street Journal, entre outros.  Paco proferiu palestras em congressos, universidades e corporações em todo o globo por mais de uma década.

Do comportamento de compra ao consumismo no mundo moderno, Paco revela-se “perspicaz” e “divertido” em suas apresentações, despertando interesse de empresários e acadêmicos em aprofundar-se na pesquisa aplicada que concebeu. 

Embalado com detalhes surpreendentes, anedotas, lições importantes e observações inovadoras sobre o comportamento de compra, Paco revela-se um visionário do marketing, tendo prestado consultoria até para o Grupo Pão de Açúcar, no Brasil.  Sua bibliogafia inclui os best-sellers “Vamos às Compras”, “A Magia dos Shoppings”, “A Ciência das Compras” e o recente “O que as mulheres querem”.

Atraídos pelo sucesso de Paco Underhill, uma leva de autores embarca no conceito de “ciência das compras” e o rotula com o charmoso nome de “shopper marketing”, que, segundo o principal autor da corrente, Chris Hoyt, é o emprego de qualquer estímulo de marketing e merchandising baseado em um profundo entendimento do comportamento do shopper e sua segmentação, desenvolvido para satisfazer suas necessidades e melhorar a experiência de compra, criando valor para as marcas e os negócios de fabricantes e varejistas”.  Parece novo, não? Nova ferramenta ou um apêndice do trabalho iniciado por Underhill?
 
Pelo sim, pelo não, inseri um link neste blog para o site de Chris Hoyt, para monitorarmos seus conceitos e verificarmos o que sua obra traz de novo à  já contribuição de Paco Underhill.

Faltam 24 dias para os Jogos Panamericanos de Guadalajara. Você sabia disto?

Faltam 24 dias para o início dos Jogos Panamericanos 2011, a serem sediados na cidade mexicana de Guadalajara.

Apesar da sabotagem da Rede Globo, que perdeu os direitos para a Rede Record, a mídia está começando a mobilizar-se para o evento. Será uma boa oportunidade para aferirmos as possibilidades dos atletas brasileiros que irão concorrer nas Olimpíadas de Londres 2012, que também está sendo ignorada pela Globo por ciúmes da Record.

O vídeo promocional abaixo mostra como a cidade mexicana está preparada para receber os visitantes. Dá-lhe, Brasil!

Vem aí a oitava edição do Cinemarketing

No período de 26 a 30 de setembro de 2011, será realizada a VI Secomunica – Semana de Comunicação da Universidade Católica de Brasília. Uma das atrações será a oitava edição do Cinemarketing – Exposição Mercadológica promovida pelos cursos de Publicidade e Propaganda e Administração.

Na sétima edição, o tema foi alimentação, conforme você pode conferir no vídeo acima. Neste mês, o tema será Serviço. Caberá aos 90 alunos uma empresa figurante em um filme e executar na feira os serviços prestados por aquele empreendimento na película.

O que será que os alunos estarão programando? Na próxima semana eu conto, inclusive em vídeo.