A hora e a vez do marketing de relacionamento

Em 2008, atuando pela Flexa Consultoria, estive envolvido na implantação de um programa de fidelização de uma empresa atacadista de frutas. Este programa foi a solução que encontramos para auxiliar o cliente a sair do que ele chamava de “guerra de preços”, circunstância onde seus produtos, commoditizados, não permitiam trabalhar diferenciais junto aos clientes da empresa de atacado. Durante seis meses , formatamos um programa de vantagens B2B engenhoso, que buscava otimizar a verba de marketing do cliente e, ao mesmo tempo, manter os clientes comprando com freqüência. Em dezembro, porém, com a crise econômica, a empresa voltou a se envolver na guerra de preços com sues concorrentes e deixou o programa de fidelização em stand-by. Hoje, a crise está fazendo com que as empresas repensem suas estratégias, considerando a opção Marketing de Relacionamento. Mais cedo ou mais tarde, programas de fidelização serão desengavetados e oferecerão novos horizontes para seus negócios.

Anúncios

Maurício de Sousa cria a máquina de quadrinhos

Máquina de quadrinhos: a nova investida de Maurício de Sousa para fidelizar seu público.

Máquina de quadrinhos: a nova investida de Maurício de Sousa para fidelizar seu público.

Os fãs da Turma da Mônica possuem, agora, uma ferramenta interativa para criar suas próprias histórias envolvendo os personagens de Maurício de Sousa. É a Máquina de Quadrinhos, disponibilizada na Web e que oferece a possibilidade de montar sua própria história com desenhos, onomatopéias e falas dos personagens. Além de criar sua história, você poderá atribuir nota às histórias criadas pelos internautas. Esta é uma das estratégias de Maurício de Souza para azeita o relacionamento com os fãs da Turma da Mônica no ano em que o artista completa seus 50 anos! Confira.

Amigo é coisa pra se guardar…

William França: exemplo de profissional e amigo

William França: exemplo de profissional e amigo

Há 20 anos atrás, eu e Gilcéia contraíamos matrimônio na Catedral Metropolitana de Brasília. Minha hoje esposa, na ocasião, foi conduzida a mim pelo meu melhor amigo, William França, uma vez que seu pai encontrava-se enfermo em Minas Gerais. A amizade minha com este brasiliense de Taguatinga completa 25 anos. Em 1984, passamos juntos no vestibular de Comunicação Social do então Centro de Ensino Unificado de Brasília – CEUB. Fomos colegas durante 4 semestres no módulo básico e nos separamos ao cursar as matérias específicas, ele como futuro jornalista e eu como publicitário. Tínhamos vários amigos em comum, entre eles Luciano Seixas, sobre o qual já escrevi aqui. William operava os equipamentos enquanto eu e Luciano gravávamos um piloto de programa para rádio FM. Após nos formarmos, nossas vidas seguiram com encontros e desencontros. Ele, com a carreira de jornalista, trabalhando, no Jornal de Brasília, na Folha de São Paulo, em assessorias de imprensa e hoje na Câmara dos Deputados, da qual é servidor concursado. Eu, atuando como publicitário em consultorias de marketing, na Asbac-Df, no Grupo HC, no Taguatinga Shopping, no MDIC e agora na UCB. William é um amigo pra todas as horas e um profissional para todas as obras. Bem-humorado, ético, pró-ativo e dedicado, reúne as qualidades que fazem um bom cidadão e um amigo de ouro. Aproveito o post para desejar-lhe Feliz Aniversário, hoje, caro amigo!

Programa de marketing ou marketing de programa?

Recentemente, o portal Mundo do Marketing revelou que uma ex-garota de Programa de Marketing, Vanessa de Oliveira (será o nome verdadeiro?), publicara um livro intitulado Diário de Marise, nome adotado em sua profissão(?). Segundo a matéria, a profissional (?) agora, está dando palestras onde relata suas estratégias para conquistar clientes, em analogia ao mercado empresarial. A matéria é a campeã do portal. Acesse e tire suas próprias conclusões. Isto que ela praticou foi um programa de marketing ou um marketing de programa?

Conheça Jussier, o jornaleiro palestrante

Tudo começou quando Jussier Ramalho comprou uma banca de revistas. Sem nenhum recurso, ele conseguiu um prazo de 45 dias para pagar um investimento e em apenas 25 dias foi capaz de levantar todo dinheiro necessário. Seu estabelecimento, a Banca Prática, é hoje uma das melhores, se não a melhor, de Natal. Climatizada, cercada de verde e com atendentes uniformizados e solícitos, a banca tem uma clientela seleta e está sempre surpreendendo, através da promoção de eventos divertidos e inusitados. Os encontros de sábado à tarde, onde ocorrem trocas de revistas, figurinhas e bate-papos animados, são freqüentados por pais, filhos, avós e já fazem parte da rotina de muitas famílias. Recentemente Jussier conseguiu arrecadar entre clientes e amigos cerca de 500 livros e está montando um espaço à disposição dos freqüentadores, especialmente crianças carentes ávidas por conhecimento e diversão. Em breve, o jornaliero pretende oferecer aulas de dança de salão, gratuitas, no espaço que circunda a banca.

A classe média apertada

Ao mudar-me de um apartamento de 160 m2 para outro de 70 m2, senti o drama de ter que me adaptar a um espaço menor em função de um planejamento mais consciente para o futuro. Afinal, eu saía do custo de um aluguel mensal para a prestação de um apartamento próprio, um investimento que se justificará no futuro. De fato, não é fácil esta adaptação. Nesta semana, uma das matérias da revista Época é precisamente de pessoas que vivenciam a mesma situação que a de minha família. Segundo a reportagem, a classe média está se reinventando para ajustar sua realidade as seus planos financeiros. Veja a reportagem, pois ela é muito interessante.

8 anos do 11 de Setembro

9_11.jpg image by jfmt

Hoje o ataque terrorista às torres gêmeas, em Nova York, completa 8 anos. Naquele dia, eu trabalhava como gerente de Marketing da Asbac-DF e surpreendi-me com um flash da TV mostrando os edifícios em chamas. Naquele dia, 4 aviões comerciais foram seqüestrados, sendo que dois deles contra as torres do World Trade Center. Um terceiro avião caiu na Pensilvânia, e um quarto teria se chocado contra o prédio do pentágono. Digo “teria” pois até hoje não foi apresentado qualquer destroço da aeronave, o que reforça a suspeita de um ataque de carro-bomba à sede do Estado-Maior das Forças Armadas americano. O evento representou, naquela época, mais do que o feito máximo da Al-Qaeda. O ataque ao World Trade Center (“Centro comercial mundial”) marcou um novo ciclo onde as relações internacionais ficaram estremecidas, com decisões equivocadas por parte dos EUA e o desrespeito às liberdades individuais em nome da segurança nacional. Não foi à toa que os terroristas escolheram o WTC como alvo. Como símbolo do comércio mundial, o edifício era sede de diversas corporações. O ataque às torres com dois aviões Boeing lotados abalou o império norte-americano e milhares de famílias das vítimas dos acidentes. Que Deus esteja com todos eles!

Leroy Merlin abrirá loja em Taguatinga em 2010

Notícia publicada no jornal Correio Braziliense hoje aponta diversos investimentos de empresas francesas no varejo brasileiro. No Distrito Federal, a Leroy Merlin, hoje já instalada na Estrada Parque Indústria e Abastecimento – EPIA, voltará sua atenção em 2010 para a praça de Taguatinga, sede do Governo local. A cidade, hoje, já conta com hipermercados Extra, Atacadão e Carrefour, além de um shopping regional, o Taguatinga Shopping.

Dedicação e premiação

Em 06/08/09, postei uma mensagem informando minha indignação com o roubo de meu aparelho celular na sala dos professores da UCB. A partir de então, relutei em comprar um novo aparelho. Peguei emprestado o celular de minha esposa e o utilizei até o último sábado, quando recebi uma notícia maravilhosa por parte dela. Ao buscá-la na reunião de Catequese, Gilcéia me mostrou uma caixa com um aparelho celular novo. Fiquei muito feliz, pois o aparelho fora uma premiação por ela ter vendido o maior número de convites para o almoço que a Igreja promoveu recentemente. Nesta tarefa, também me empenhei para vender alguns convites aos colegas da UCB, que gentilmente colaboraram. Mais uma vez Deus nos tirou e nos deu novamente. Hoje ela utiliza o novo aparelho, enquanto fiquei definitivamente com o dela. Dedicação e premiação!

Miopia em Marketing completará 50 anos em 2010

O artigo Miopia em Marketing, de Theodore Levitt foi publicado em 1960 e é uma das principais obras do marketing moderno por criticar a postura de acomodação das empresas em relação às necessidades do consumidor e à evolução dos produtos.  Segundo Levitt, a razão pela qual o desenvolvimento é ameaçado, retardado ou detido não é porque o mercado está saturado. É porque houve uma falha administrativa. A razão desta falha ocorre na definição equivocada de seu ramo de atividade e na tacanha preocupação com o cliente em relação ao produto/serviços. Um vídeo disponível no You Tube ajuda a compreender esta questão. Aproveite e leia o artigo. Você vai constatar que o texto de Levitt ainda é muito atual.

Eu Etiqueta, por Carlos Drummond de Andrade

Em minha calça está grudado um nome/Que não é meu de batismo ou de cartório/Um nome… estranho./Meu blusão traz lembrete de bebida/Que jamais pus na boca, nessa vida/Em minha camiseta, a marca de cigarro/Que não fumo, até hoje não fumei./Minhas meias falam de produtos/Que nunca experimentei/Mas são comunicados a meus pés./Meu tênis é proclama colorido/De alguma coisa não provada/Por este provador de longa idade./Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,/Minha gravata e cinto e escova e pente,/Meu copo, minha xícara,/Minha toalha de banho e sabonete,/Meu isso, meu aquilo./Desde a cabeça ao bico dos sapatos,/São mensagens,/Letras falantes,/Gritos visuais,/Ordens de uso,/abuso, reincidências./Costume, hábito, permência, Indispensabilidade,/E fazem de mim homem-anúncio itinerante,/Escravo da matéria anunciada./Estou, estou na moda./É duro andar na moda, ainda que a moda/Seja negar minha identidade,/Trocá-la por mil, açambarcando/Todas as marcas registradas,/Todos os logotipos do mercado./Com que inocência demito-me de ser/Eu que antes era e me sabia/Tão diverso de outros, tão mim mesmo,/Ser pensante sentinte e solitário/Com outros seres diversos e conscientes/De sua humana, invencível condição./Agora sou anúncio/Ora vulgar ora bizarro./Em língua nacional ou em qualquer língua/(Qualquer principalmente.)/E nisto me comparo, tiro glória/De minha anulação. Não sou – vê lá – anúncio contratado./Eu é que mimosamente pago/Para anunciar, para vender/Em bares festas praias pérgulas piscinas,/E bem à vista exibo esta etiqueta/Global no corpo que desiste/De ser veste e sandália de uma essência/Tão viva, independente,/Que moda ou suborno algum a compromete./Onde terei jogado fora/Meu gosto e capacidade de escolher,/Minhas idiossincrasias tão pessoais,/Tão minhas que no rosto se espelhavam/E cada gesto, cada olhar/Cada vinco da roupa/Sou gravado de forma universal,/Saio da estamparia, não de casa,/Da vitrine me tiram, recolocam,/Objeto pulsante mas objeto/Que se oferece como signo dos outros/Objetos estáticos, tarifados./Por me ostentar assim, tão orgulhoso/De ser não eu, mas artigo industrial,/Peço que meu nome retifiquem./Já não me convém o título de homem./Meu nome novo é Coisa./Eu sou a Coisa, coisamente.

Deus abençôa os professores!

Este é um comentário que sempre faço com meus colegas professores. Já reparou como nada nos acontece a ponto de atrapalhar nossas aulas? Exerço a função de professor há 8 anos e chego à conclusão de que Deus, em minha crença católica, destina aos docentes o maior dos anjos da guarda. Não sei qual o nome dele, mas agradeço todos os dias a esta proteção. Em minha carreira, vivenciei poucos casos de desamparo dos alunos por razão de infortúnio a algum professor. Os casos que ocorreram – diga-se de passagem – ou não tiveram relevância ou foram por falecimento do docente, por fluxo normal de sua avançada idade. O mestre Obliziner foi um deles (que Deus o tenha!). A cada dia reforço esta constatação e peço que esta proteção continue junto a nós.

Ipiranga aposta no marketing de relacionamento

A notícia não é nova mas vale pelo registro: desde março do ano, a rede de Postos Ipiranga/Texcaco vem apostando no marketing de relacionamento através do Programa de Fidelidade Quilômetros de Vantagens. Cada compra efetuada nos postos, franquias Ipiranga e Ipirangashop será convertida em pontuação (“quilômetros”) que serão trocados por benefícios especiais. Os participantes terão direito a adquirir produtos em condições exclusivas, utilizando como parte do pagamento os quilômetros acumulados. O resgate poderá ser feito nos postos que, para isso, terão à disposição do consumidor uma linha de produtos de pronta entrega, ou no IpirangaShop – a loja virtual da Ipiranga. O consumidor que aderir terá acesso a uma ferramenta especial de controle e cuidados para a sua paixão, o Diário do Carro. Em ambiente da internet, os clientes saberão tudo sobre o consumo do seu veículo, detalhes e dicas para uma perfeita manutenção, além de muitas outras informações. Além disso, os consumidores que fizerem compras regularmente nos postos participantes do programa ganham uma assistência auto 24 horas (cobertura dessa asssitência: guincho, chaveiro, troca de pneus, socorro elétrico e mecânico) válida por 30 dias. Isso significa que os clientes que forem fiéis aos Postos Ipiranga terão seu veículo protegido por 12 meses. O programa foi viabilizado a partir da estruturação do Ipiranga Online, rede de comunicação privativa da Companhia, com POS instalados nos postos. A partir dele, será realizada a mecânica de cadastro e registro das compras. Outro recente lançamento da distribuidora – o Ipirangashop – também foi fundamental para o programa. Além de gerar quilômetros para os consumidores que efetuarem compras, o IpirangaShop é o principal ambiente de resgate dos prêmios. Acredito que a empresa tenha êxito com esta iniciativa, considerando-se o background tecnológico que dá suporte ao programa.

Vendas de Tang foram inicialmente alavancadas por concurso de frases

Em 1978, já adolescente, vivenciei a entrada de um novo refresco em pó no mercado brasileiro. Ao invés dos antigos Q-Suco e Q-Refresco, surgia um suco de laranja em pó que prometia ter um sabor delicioso. Era o refresco Tang (que em chinês significa açúcar).

Lançado nos EUA em 1957 pela General Foods, o produto agora adentrava o mercado brasileiro alavancando suas vendas a partir de um concurso de frases. O consumidor deveria adquirir dois envelopes do produto e enviar para uma determinada Caixa Postal, junto com uma frase sobre o produto. Os ganhadores receberiam bicicletas e outros prêmios.

Não me lembro da sentença que criei, mas uma das frases ganhadoras não sai da minha cabeça, tal sua simplicidade: “Deus criou o mundo em seis dias, e descansou no sétimo, tomando Tang”.

Criativo, não?