Revenda de automóveis: um ex-negócio da china

O carro custa R$ 20 mil, mas para a agência de automóveis ele custou apenas R$ 17 mil.  Um cliente se interessa pelo veículo e decide financiá-lo.  A agência providencia uma financeira para viabilizar a venda e esta, em contrapartida, repassa R$ 3 mil para a agência a título de comissão de intermediação.  Resultado: a agência lucra R$ 3 mil com a revenda e mais R$ 3 mil de comissão de financiamento, totalizando R$ 6 mil. Nada mal para uma simples transação, não? Pois esta era a mina de ouro das agências. Isto gerava uma distorção: revenda alguma dava desconto no pagamento à vista, pois esta modalidade não oferecia rentabilidade tão boa quanto o parcelamento. A situação agora mudou: os clientes não aceitam facilmente financiar o veículo, procuram comprar o produto à vista e as agências vêem sua fonte de lucro esvair-se. O resultado disto já publiquei aqui: empresários decidindo abandonar o negócio ou revendas mudando de localização para fugir do alto aluguel de um bom ponto. As agências terão de reinventar-se para sobreviver!

Agências de automóveis passam por maus bocados

A situação financeira das agências de automóveis, especializadas em vender veículos usados, não anda nada boa. Percebo este sintoma aqui em Taguatinga, onde moro. Minha rua fica próxima a um setor onde se concentra a maioria das agências de automóveis da cidade. Nos últimos meses, reparei que o número de empresas que estão “passando o ponto” aumentou de 2 para 8. A crise financeira e o menor e mais caro crédito disponível diminuíram as vendas deste setor, que era alavancado, sobretudo, pelas polpudas comissões oferecidas pelas financeiras aos intermediadores de financiamentos. O consumidor está mais crítico, muitas vezes decidindo por comprar um veículo mais barato à vista do que um seminovo financiado. Além disso, as agências enfrentam a concorrência direta das concessionárias, que fazem de tudo para vender tanto veículos novos quanto usados.  Se a situação aqui em Taguatinga é esta, imagino que não é diferente em outros cantos do país. Pelo menos temos uma notícia boa: o preço de um veículo seminovo (1 a 3 anos de uso) caiu de 85 para 70% do preço de um veículo novo. A hora é boa para comprar à vista, pois quem tem dinheiro na mão tem uma ótima barganha!

Seminovos: o mico das concessionárias

Ano novo. Vida nova.  Nada de férias. A hora é das empresas investirem em ações promocionais já em janeiro.  As montadoras de automóveis estão investindo consideravelmente suas verbas em ações promocionais, visando ativar as vendas de veículos novos e seminovos.  Estes, aliás, são considerados os micos de vendas das concessionárias, pois é grande o número de veículos usados envolvidos na aquisição de produtos novos. As revendedoras não tem como fugir desta realidade e só tem duas soluções: ou repassam para as agências de automóveis a preço menor, para desovar o estoque, ou esperam mais tempo até surgir o comprador do veículo usado. Como o tempo de revenda é cada vez maior, a solução é lançar mão de promoções que estimulem o comprador, como IPVA pago, acessórios grátis , taxa de juros baixa e outas estratégias. Se o panorama é ruim para as concessionárias, imagine para as agências de automóveis! Amanhá falarei disso.

Já planilhou sua vida financeira alguma vez?

Para alcançar o sucesso é preciso, além de sorte, ter um bom planejamento. Aprendi isto quando planilhei minhas despesas ao longo de um ano inteiro. Separei as despesas em rubricas e, dia a dia, fui anotando toda e qualquer despesa, do pão ao automóvel. Após 12 meses, fui conferir, por curiosidade, o total gasto com a rubrica “juros”. O resultado foi assustador: 10 mil reais. Isto mesmo! O valor de um carro usado. Depois disso, aprendi a lição: cortei cartão de crédito e cheque especial, além de procurar comprar sempre à vista e, se possível, com desconto. Se não tivesse feito o exercício da planilha, jamais teria a noção de quantos gastos desnecessários eu fazia. Bendito Excel!

Um natal diferente em Ibituruna

A cena foi nova na quadricentenária cidade de Ib ituruna, no sul de Minas Gerais, com cerca de 3.000 habitantes. Um Papai Noel cheio de presentes desembarcou de helicóptero no campo de futebol do município. No chão, já aguardavam, ansiosas, dezenas de crianças, encantadas com a chegada do bom velhinho, que distribuiu os mimos a todos os pequeninos. Foi um natal diferente naquela cidade, graças a Joana D’Arc, a Joaninha, uma habitante local que ganhara na loteria. Uma bela ação, para marcar o natal da cidade!

Ano novo, nova idade

Hoje completo 43 verões. Sinto-me no meio de um caminho. Caminho que hoje trilho com Gilcéia, minha amada esposa, minhas 3 filhas, meus amigos e colegas. Estou feliz e esperançoso com o ano de 2009, quando completarei 20 anos de casado e com muitos motivos para comemorar. 2009 também é o centenário do meu colorado. As expectativas são muitas e as razões para acreditar que este ano será mavilhoso, cheio de novidades. Aproveito, caro leitor, para lhe desejar um Feliz 2009!