A “descomoditização” do relógio

relógio

Houve um tempo em que ostentar um relógio de marca era símbolo de status. Porém, na década de 80, começaram a surgir as cópias chinesas de relógios de marca. De relógios digitais de plástico, baratinhos, a cópia dos renomados Rolex e Bulgary, milhões de aparelhos foram vendidos, vulgarizando-os.

Agora, surge uma nova realidade.

Uma vez incorporado aos celulares, o relógio deixa de ser usado pelo público de massa, por questão de praticidade. Afinal, é mais prático ter tudo no celular do que transportar componentes separados. Já reparou se seus amigos, principalmente do sexo masculino, ainda usam relógios? Pois é. Eu mesmo não utilizo. Sempre que preciso, consulto o telefone celular.

Esta nova circunstância recria a oportunidade de a indústria relojoeira produzir aparelhos de qualidade, com atributos de design e qualidade aperfeiçoados, podendo voltar a cobrar maior valor pelo produto e reinstalando a atmosfera de charme em usar o aparato.

Usar um relógio voltará a ter o seu charme, por questão de moda.

Um comentário sobre “A “descomoditização” do relógio

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s